Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

Happy hour se transforma em novo local de ajuda aos empreendedores que estão começando

Donos de pequenas empresas organizam-se em grupos para debater os erros e acertos que costumam cometer

Ligia Aguilhar - Estadão PME,

27 de abril de 2012 | 06h20

Um grupo de empreendedores transformou o happy hour em uma produtiva reunião de negócios. Suas empresas estão no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec) e eles reúnem-se semanalmente em uma pequena sala no terceiro andar do prédio da incubadora. No lugar de relatórios, portfólios e cartões de visita, carregam pacotes de petiscos, salgadinhos e bebidas. Durante o encontro, assuntos corriqueiros são substituído pelas angústias, sucessos e fracassos de cada um.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Há pouco mais de um ano, os empreendedores criaram o ‘Oooos Incubados’ (assim mesmo, com quatro ‘os’), grupo que nasceu com o objetivo de tornar frequente a troca de ideias e experiências antes restritas aos corredores da incubadora. “Apesar de cada empresário ser de um segmento, descobrimos que nossos problemas são os mesmos. Quando conversamos, dividimos angústias e esclarecemos dúvidas”, diz Winston Quirino, fundador da Agrofficio, uma das empresas incubadas.

A iniciativa do grupo segue uma tendência cada vez mais comum entre empreendedores. Eles se organizam em grupos informais para criar uma espécie de rede colaborativa de aprendizado e ampliação de contatos. Participam das reuniões no Cietec, por exemplo, entre oito e dez empresários. No encontro, eles têm a chance de expor problemas, compartilhar experiências e até mesmo lançar dúvidas para debater com os parceiros.

Inexperiente na administração de negócios, a empreendedora Noeli Pereira, fundadora da Analytics, conseguiu tomar decisões estratégicas importantes com ajuda do grupo. Para aprender a prospectar clientes, por exemplo, a empresária acompanhou alguns de seus colegas durante algumas importantes reuniões de negócios.

“Antes eu não tinha com quem conversar sobre o assunto. Hoje, não os considero concorrentes, mas amigos”, analisa. Os encontros também rendem parcerias entre as empresas e indicações de prestadores de serviços e fornecedores. “São poucos os empresários que se comunicam como a gente porque muitos têm medo de falar sobre sua empresa e ter alguma ideia roubada”, diz Paulo Vieira, da Ningo. “Na verdade, a falta desse tipo de comunicação os faz perder muito”, garante.

Grupo semelhante criado há dois anos em Campinas, no interior de São Paulo, chamou a atenção do professor da Singularity University, Vivek Wadhwa, que esteve no Brasil recentemente. Em artigo no jornal norte-americano Washington Post, ele mostrou-se impressionado com a Associação Campinas Startups e disse que via nas empresas desse grupo uma chance de sucesso maior do que a média. A Associação foi criada após encontros esporádicos e happy hours entre empreendedores das incubadoras da região. “Empreender é uma atividade muito solitária. Diante dessa carência, nos reunimos para criar um ambiente de confiança”, explica o atual presidente do grupo, Igor Santiago.

A dinâmica da Associação é tão organizada que eles criaram grupos específicos, que se reúnem de acordo com interesses em comum. Há espaço para quem busca investimento, trabalha no mercado de mobile e no de B2B. “A principal proposta é criar uma dinâmica que permita a todos validar suas ideias e hipóteses com outros empreendedores e, assim, gerar um ciclo de melhoria contínua dos negócios”, analisa Santiago.

O empreendedor Cadu de Castro Alves é prova de que a união, de fato, faz a força. Ele conta que não conseguiu marcar um encontro oficial com investidores do Vale do Silício que visitavam o Rio de Janeiro. Por isso, combinou com uma centena de empreendedores: o grupo enviaria uma saudação via twitter a um dos organizadores da comitiva.

“Assim que eles desembarcaram no Brasil, mandamos uma mensagem de boas vindas dizendo que aguardávamos o grupo à noite em um bar da Lapa (bairro boêmio do Rio de Janeiro)”, conta Cadu Castro Alves. A estratégia deu certo. A comitiva foi ao bar indicado pelos empreendedores e os fez perceber que era viável organizar outros eventos semelhantes. Assim, nasceu o “Geeks On Beer”, encontro bimestral que promove o relacionamento entre empresários e investidores. “Tem sido enriquecedor. Várias empresas receberam investimentos e há casos até de participantes que se tornaram sócios.

Como funciona a dinâmica de cada um desses grupos

‘Oooos Incubados’

O grupo se reúne toda sexta-feira no Cietec, em São Paulo. No happy hour, o empreendedor expõe sua dúvida, problema ou conta uma experiências para ser discutida com os demais empresários que também participam do encontro.

'Geeks On Beer’

Encontro bimestral em um bar no Rio de Janeiro, onde empreendedores se reúnem para falar sobre negócios e fazer contatos com investidores. O slogan do grupo é ‘Networking

sem moderação’.

Campinas Startups

Para se associar, o interessado precisa pagar taxa de R$ 500 e ainda a mensalidade de R$ 50. Os participantes dividem-se em grupos de interesses semelhantes e a partir daí realizam reuniões todas as semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.