Abbas Dulleh/AP
Abbas Dulleh/AP

Governo dos EUA oferece U$ 1 milhão para quem criar roupa antiebola

Desafio lançado vai financiar ideias inovadoras que ajudam a combater a propagação do vírus entre profissionais da saúde; roupas atuais podem ser usadas apenas uma vez sob risco de contaminação acidental

Estadão PME,

13 de outubro de 2014 | 19h50

A Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) lançou um desafio mundial a estilistas e fabricantes de equipamentos para conter a contaminação do Ebola. De acordo com reportagem publicada no jornal Daily Mail, a USAID oferece uma recompensa de U$ 1 milhão para financiar o projeto de quem apresentar a melhor solução anti-contaminação do vírus.

A iniciativa visa aumentar a segurança dos profissionais de saúde que estão empenhados em combater a epidemia. Segundo o jornal britânico, trata-se de uma parceria conjunta da USAID com a Casa Branca, além do Centro de Prevenção de Doenças norte-americano e do Departamento de Defesa do País.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A ideia, diz a publicação, é que uma vestimenta inovadora, que proteja contra a umidade e o calor tropical, seja apresentada. A meta é diminuir os riscos de contaminação entre profissionais da saúde e militares.

Durante o lançamento da campanha, na semana passada, em Seatle, o porta voz da USAID,  Rajiv Shah reforçou a importância de um esforço mundial para combater que o vírus se alastre.

"Junto com nossos parceiros internacionais, vamos traduzir a experiência e criatividade dos cientistas, inovadores, engenheiros e estudantes de todo o mundo em soluções reais", disse Shah. "Com o seu pensamento ousado e engajamento, podemos dar os profissionais de saúde as ferramentas que precisam para vencer essa luta."

Tudo o que sabemos sobre:
EbolaInovaçãoEmpresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.