Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Gestão falha pode levar startup ao fracasso

Investimento não é garantia de que a empresa vai dar certo. É preciso mais: planejar e ter foco no produto

Ligia Aguilhar - Estadão PME,

10 de abril de 2012 | 18h50

Após semanas de tensão e dívidas acumuladas, a empreendedora Ligia Dutra foi a público revelar a crise pela qual passava sua startup, a UpaLupa. No início do ano passado, o negócio recebeu R$ 37 mil para realizar edições itinerantes do Bate Papo sobre E-commerce, um evento, na época gratuito, que mescla palestras e troca de experiências entre empreendedores.

Empolgada, Ligia descuidou-se e cometeu erros de gestão que consumiram a verba em apenas seis meses. Sem ter como bancar outras edições, mas obrigada a realizá-las para cumprir o contrato, ela se viu na iminência de fechar a empresa. Antes disso, porém, decidiu assumir o fracasso. “Fazia tudo para mostrar aos outros que estava bem. Quando a ficha caiu, assumi que precisava de ajuda”, diz.

Na tentativa de salvar a empresa da falência, Ligia tomou uma atitude ousada.Em uma longa mensagem postada no site da UpaLupa, em setembro do ano passado, ela descreveu o problema e propôs que amigos e clientes ajudassem a financiar de forma colaborativa os 12 eventos que ela precisava realizar até o fim do ano.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

A tarefa exigiria investimento de cerca de R$ 24 mil. O resultado, porém, surpreendeu. Ligia recebeu doações de todo o País e conseguiu R$ 10 mil, com os quais bancou parte dos eventos. Para reduzir custos, transmitiu os demais pela internet.

Embora tenha solucionado o problema que quase fechou sua empresa, Ligia mudou o modelo de negócios. Desde o início do ano, por exemplo, cobra taxa de R$ 25 para bancar os custos do projeto. “Não deixo de ajudar o próximo como queria quando a inscrição era gratuita, mas agora eu sei que não posso mudar o mundo sozinha e coloco o negócio em primeiro lugar”, afirma ela, que diz ter aprendido com a experiência que os momentos bons de em empreendimento não duram para sempre. “Hoje não dou mais um passo maior do que a pena. Primeiro eu consigo dinheiro e depois faço”, diz.

Estrutura. A empresária Maria Carolina Cintra passou por situação semelhante. A diferença é que o capital da sua empresa era proveniente de um investidor. A startup Kingo Labs, idealizada por ela em parceria com outros dois amigos, fechou as portas no fim do ano passado, após dois anos e meio de atuação no mercado.“Nosso grande erro foi iniciar com uma estrutura grande e cara demais. Deveria ter aberto a empresa sem investimento”, conta a empreendedora.

Segundo Carolina, gastos mal planejados e falta de foco no produto levaram os sócios a ter problemas no relacionamento com o investidor. Ainda de acordo com a empreendedora, a empresa teve faturamento 80% menor do que os R$ 500 mil previstos. Sem o resultado prometido, o investidor deixou o negócio após aplicar cerca de R$ 280 mil. “Foi horrível. Me senti uma fracassada porque gastei muito tempo e energia em algo que deu errado.”

Antonio Shiroshi Hotta, o investidor-anjo da Kingo Labs, diz que o maior problema foi a falta de transparência. “Eu financiei 100% do negócio e propus que se a empresa tivesse lucro ficaria com 20% (pelo acordo original, ele teria direito a 50%)”, conta.“O correto é o empreendedor prestar contas e falar no que gastou o dinheiro, mas eu não recebia os comprovantes dos gastos”, diz.

Para ele, o conhecimento e o envolvimento dos empreendedores em um negócio são essenciais. “A garotada é muita inexperiente. Eu sempre tento orientar os gastos, a focar no produto, mas não pode faltar transparência”, diz.

EVITE ERROS:

Investimento - Começar a startup com uma estrutura cara e investimento não é garantia de sucesso. O foco deve ser no produto.

Caixa - Por inexperiência e empolgação muitos empreendedores misturam as finanças pessoais com as da empresa.

Planejamento - Gastos devem ser planejados de acordo com o fluxo de caixa e informados para o investidor.

:::LEIA TAMBÉM:::

::Empresários faturam R$ 200 milhões com agência de viagens internacional::

::Pequena empresa se especializa em consultoria online para bandas musicais iniciantes::

::Dona de loja de acessórios adere ao Facebook e faturamento cresce 20% em menos de um ano::

::Jovem empreendedor fatura mais de R$ 1 milhão com cassino de mentirinha::

::Empresários contam como chegar ao primeiro milhão de faturamento cada vez mais cedo::

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.