Franquias propõem transformar peças antigas
Franquias propõem transformar peças antigas

Franquias investem na onda de reparos

Redes focam em serviços exclusivos para fidelizar cliente A e B

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2016 | 07h42

O aumento na procura por consertos também beneficiou redes de franquias especializadas, que agora buscam fidelizar o cliente por meio de serviços que remetem à exclusividade. Nesses casos, não basta ajustar ou corrigir algum defeito, a proposta é transformar.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

A rede paulista Linha e Bainha, até o ano passado especializada em ajustes simples de roupas, instituiu a opção de customização. Assim, uma calça encostada no armário pode se transformar em outra peça a partir de uma consultoria breve com uma estilista.

::: Leia também :::

Negócio na medida certa

Ateliê de São Paulo vê mudança de público no ano passado

Movimento ‘slow’ inspira novos negócios

“Percebemos uma grande procura de pessoas querendo transformar peças. Chegavam até as lojas roupas para serem reformadas ou salvas. Com a nossa consultoria, uma calça jeans vira saia, por exemplo”, conta a gerente de negócios da franquia, Joseane Gomes. “As pessoas perderam o medo de dizer que estão sem dinheiro e começaram a dar mais valor para o que têm no armário. A crise já não é mais segredo”, avalia. O novo serviço fez aumentar em 30% o movimento nas unidades e a rede espera crescer em 25% o número de franqueados só no primeiro semestre de 2016.

De olho nesse cliente que assume a crise, a rede Serviços do Futuro, composta pelas marcas Sapataria do Futuro, Costura do Futuro e Chaves do Futuro, aprofundou em 2015 seu plano de expansão e fechou o ano com 141 unidades e faturamento de R$ 90 milhões, crescimento de 20% em relação ao ano anterior. Além disso, também aprimorou o atendimento para receber clientes das classes A e B.

“Toda vez que o assunto ‘crise’ é citado isso reforça nas pessoas a ideia de reaproveitar bens que elas já têm”, explica o diretor de operações da Brasil Franchising, responsável pela marca, Guilherme Netti. “Quase todo mundo tem em casa algum sapato ou roupa que, se passar por algum ajuste ou reforma, pode substituir muito bem um produto novo”, comenta.O aumento na procura por consertos também beneficiou redes de franquias especializadas, que agora buscam fidelizar o cliente por meio de serviços que remetem à exclusividade. Nesses casos, não basta ajustar ou corrigir algum defeito, a proposta é transformar.

A rede paulista Linha e Bainha, até o ano passado especializada em ajustes simples de roupas, instituiu a opção de customização. Assim, uma calça encostada no armário pode se transformar em outra peça a partir de uma consultoria breve com uma estilista.

“Percebemos uma grande procura de pessoas querendo transformar peças. Chegavam até as lojas roupas para serem reformadas ou salvas. Com a nossa consultoria, uma calça jeans vira saia, por exemplo”, conta a gerente de negócios da franquia, Joseane Gomes. “As pessoas perderam o medo de dizer que estão sem dinheiro e começaram a dar mais valor para o que têm no armário. A crise já não é mais segredo”, avalia. O novo serviço fez aumentar em 30% o movimento nas unidades e a rede espera crescer em 25% o número de franqueados só no primeiro semestre de 2016.

De olho nesse cliente que assume a crise, a rede Serviços do Futuro, composta pelas marcas Sapataria do Futuro, Costura do Futuro e Chaves do Futuro, aprofundou em 2015 seu plano de expansão e fechou o ano com 141 unidades e faturamento de R$ 90 milhões, crescimento de 20% em relação ao ano anterior. Além disso, também aprimorou o atendimento para receber clientes das classes A e B.

“Toda vez que o assunto ‘crise’ é citado isso reforça nas pessoas a ideia de reaproveitar bens que elas já têm”, explica o diretor de operações da Brasil Franchising, responsável pela marca, Guilherme Netti. “Quase todo mundo tem em casa algum sapato ou roupa que, se passar por algum ajuste ou reforma, pode substituir muito bem um produto novo”, comenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.