Reprodução site
Reprodução site

Franquia de cafeteria construída em cima de bicicleta tem tudo para ganhar espaço

Empreendimento une um produto de qualidade com a tendência da bicicleta, que ganha cada vez mais espaço

estadão pme,

12 de abril de 2013 | 14h14

 A proposta do empreendimento é simples: construir uma cafeteria móvel, cujo deslocamento é feito por meio de uma bicicleta. Por mais singela e antiga que seja, a ideia de construir um negócio móvel é sempre atraente para empreendedores. Mas quando você agrega produtos de qualidade com uma tendência moderna, o resultado é sucesso.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

É exatamente essa a proposta da BikeCaffe. O negócio está em expansão por meio de franquias - inclusive há no site da empresa um número de telefone para atender 'o mundo todo' -, mas está longe de ser apenas um lugar que vende café.

A empresa afirma vender café de qualidade - expresso italiano, por exemplo -, além de agregar valor ao empreendimento ao usar a bicicleta como meio de deslocamento. Cada vez mais se discute, no mundo todo, políticas de fomento ao uso das 'magrelas'.

A BikeCaffe também não é o único empreendimento atuando na área. A dupla de estudantes Lasse Oiva e Amos Field Raid é responsável por uma engenhosa invenção: a cafeteria ambulante. Trata-se do Velopresso, uma máquina móvel de café expresso que tritura o grão por meio de pedaladas.

A novidade projetada pelos designers, alunos da da Royal College of Art de Londres, utiliza uma estrutura semelhante a de um triciclo. As pedaladas geram energia para ligar a máquina responsável por moer os grãos de café. Já a água é aquecida por uma caldeira que funciona a gás. No entanto, os inventores já estão aperfeiçoando o projeto para torná-lo ainda mais ecologicamente correto. A meta que eles pretendem atingir é transformar os resíduos do café em etanol, que servirá como combustível.

Tudo o que sabemos sobre:
bicicletanegócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.