Paulo Lieber/AE
Paulo Lieber/AE

Franqueadoras endurecem os critérios para seleção de franqueados

Além do dinheiro, os investidores precisam apresentar perfil comportamental e profissional compatíveis com as expectativas das redes

Carolina Dall'Olio, do Estadão PME,

15 de setembro de 2011 | 20h53

Quem pretende abrir uma franquia nunca se deparou com tantas opções. Existem hoje 1.855 redes no Brasil. Mas mesmo diante dessa diversidade, o candidato ainda pode enfrentar dificuldades para ser aceito pela empresa que escolher.

Com o crescimento da economia brasileira e o aumento da renda da população, ficou mais fácil para as empresas encontrarem investidores que dispõem do capital necessário para abrir uma unidade franqueada. Isso permitiu que os franqueadores refinassem seus critérios de seleção. Portanto, agora eles procuram candidatos que, além do dinheiro, tenham outras competências que possam contribuir com o desenvolvimento da marca.

“As franqueadoras bem estruturadas mapeiam o perfil do candidato ideal a partir de experiências bem-sucedidas na rede e seguem hoje critérios rígidos para selecionar seus parceiros”, afirma Adir Ribeiro, da consultoria Praxis Education, especializada em franquias. “Como o dinheiro se tornou uma commodity, as franqueadoras buscam hoje um diferencial nos investidores.”

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

A seguir, confira as principais características que as redes procuram hoje nos candidatos a franqueados:

Experiência profissional

As redes, em geral, costumam dar preferência a candidatos que tenham conhecimentos em administração. É sempre desejável que o investidor possua uma experiência de sucesso na gestão de negócios, seja como empresário ou mesmo como executivo. “Porém, quem não tem experiência ou conhecimento técnico também pode ser aceito, desde que a rede ofereça treinamentos e ferramentas para preparar esse profissional para administrar bem a franquia”, observa Ribeiro.

Comportamento

Cada vez mais o perfil comportamental dos candidatos se torna determinante para que a franqueadora aceite ou não a proposta de adesão à rede. Por meio de entrevistas e até mesmo de análises mais complexas das características da personalidade do investidor, as empresas conseguem determinar se aquele candidato apresenta condições de ser bem-sucedido na condução do negócio. Ser capaz de liderar equipes e estabelecer prioridades são requisitos fundamentais, aponta Ribeiro. “O ideal é que o franqueado tenha um perfil de gestor, principalmente se ele for tocar a empresa no dia-a-dia”, declara o consultor.

Risco

Para ser franqueado, o candidato não pode nem ter aversão total ao risco e nem ser muito empreendedor, afirma Filomena Garcia, diretora da Franchise Store, consultoria que comercializa 70 marcas de franquia. “A franquia tem um risco minimizado, é verdade, mas ainda assim oferece riscos. Por isso, quem não aceita essa regra não pode ser empresário”, afirma Filomena. “Mas também as pessoas muito empreendedoras, que gostam de sempre tomar a iniciativa e inventar novas regras também não possuem perfil adequado para fazer parte de uma rede.”

Afinidade

Por fim, as redes também investigam se os objetivos e valores dos candidatos são compatíveis com a cultura da empresa e a trajetória que ela pretende seguir. “Por isso, ao escolher uma franquia, o candidato deve começar a procurar no segmento que tem mais afinidade e se informar melhor sobre cada marca”, indica Filomena.

:::LEIA TAMBÉM:::

:: Vinte opções de franquias que custam menos que um carro popular ::

:: Empresa ganha dinheiro ao transformar serviços em franquia ::

:: Dez opções de franquia com faturamento a partir de R$ 30 mil ::

:: Como escolher uma franquia ::

:: Como transformar o meu negócio em uma rede de franquias ::

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.