Divulgação
Divulgação

Flavio da Silva: R$ 100 milhões ou R$ 500 milhões não fazem diferença

Flávio da Silva vendeu a rede de escolas de idiomas Wise Up por exatos R$ 877 milhões

Renato Jakitas, Estadão PME,

26 de fevereiro de 2014 | 12h01

Aos 19 anos, Flávio Augusto da Silva era um rapaz de classe média do bairro do Jabour, na periferia do Rio de Janeiro. Aos 41 anos, já tinha se tornado um empresário de sucesso. Foi nessa idade que ele concluiu a negociação da escola de idiomas que fundou, a Wise Up, vendida para a Abril Educação por impressionantes R$ 877 milhões.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Depois da venda, Silva deu início a uma vida de viajante (morou com a família nos Estados Unidos, Inglaterra e Espanha), blogueiro e investidor de empreendedorismo. Flávio cuida da marca Geração de Valor, onde escreve um texto por dia há anos sobre negócios e, agora, vai começar a aportar recursos em startups. Recentemente, ele se tornou também empresário do futebol.

“Particularmente, R$ 500 milhões ou R$ 100 milhões representaram a mesma coisa. Chega uma hora que o dinheiro não faz mais diferença. A gente começa a pensar em outras coisas”, afirma o empresário, que atualmente reside em Portugal.

Frequentemente, ele deixa a Europa para uma temporada de dez dias que divide entre o Brasil e os Estados Unidos, mais especificamente a cidade de Orlando. É que no ano passado ele investiu US$ 105 milhões na aquisição do clube de futebol local, o Orlando City. Fundada em 2010, a equipe foi confirmada no ano passado, já sob gestão do brasileiro, na Major League Soccer, a principal liga local.

“Comprei o time porque identifiquei uma oportunidade de investimento enorme”, explica-se Silva, que vai construir com a prefeitura de Orlando e o governo da Flórida um estádio para a equipe. “Quando morei nos Estados Unidos, comprei uma pesquisa e vi que 24 milhões de crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos eram praticantes de futebol. Esse é um número importante e que indica a força que o futebol vai ter nos Estados Unidos”, diz ele, que em abril vem ao Brasil para lançar seu programa de incentivo às startups. “Teremos R$ 5 milhões para investimento.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.