Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Ferramenta conecta caminhoneiro e também auxilia no rastreamento da carga

O olhar inicial do empresário Carlos Mira, ao visitar o Vale do Silício em 2011, era o de investidor. Mas ao conhecer o tripé das empresas de tecnologia formado por mobile, social e cloud (tecnologia em nuvem), resolveu inverter o papel e se transformar em empreendedor. Com mais de 30 anos de experiência no ramo de transporte de carga e logística, Mirra criou o TruckPad, app que conecta o caminhoneiro à carga.

Gisele Tamamar, Estadão PME,

30 de julho de 2014 | 07h01

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Foram dois anos de pesquisa e desenvolvimento até lançar a primeira versão, em setembro do ano passado. Hoje, o sistema também é usado para administrar uma agência no Terminal de Cargas Fernão Dias, em São Paulo – mais de 3,5 mil caminhoneiros já fizeram o download do app, que registra, em média, 2,5 mil ofertas de carga por dia.

De acordo com Mira, o TruckPad é direcionado para os caminhoneiros autônomos, chamados por ele de empreendedores das estradas. Mas há na ferramenta funcionalidades como o compartilhamento da localização do motorista com o cliente, família e amigos.

:: Leia também ::

O desafio da mobilidade urbana

Carona virtual testa viabilidade como negócio

Estacionamentos motivam empresa

Sócios apostam no compartilhamento de veículos no Brasil

“O aplicativo é interessante pela questão da segurança, para a família saber onde o caminhoneiro está. E interessante também na função logística porque o cliente que embarcou uma carga sabe em que posição geográfica o motorista se encontra”, defende o empresário. O TruckPad também possibilita o envio do protocolo de entrega para quem mandou a encomenda.

O app é gratuito tanto para o caminhoneiro quanto para quem contrata o serviço e o empresário segue atualmente uma estratégia de penetração do produto. “Devemos começar a ganhar dinheiro em um prazo de 24 meses. Temos investidores-anjo, mas eu sou o principal investidor”, conta Mira, confiante na viabilidade do negócio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.