Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Férias para MEI: dez passos para conseguir o merecido descanso

O primeiro passo é separar orçamento pessoal e caixa da empresa; descanso também depende da situação do negócio

Fernanda Bastos, especial para o Estadão

26 de junho de 2022 | 05h00

Para muitos microempreendedores individuais (MEI), as férias parecem um sonho inalcançável. Mas, assim como o esforço e a dedicação são essenciais para o bom funcionamento do negócio, o descanso é primordial para manter uma rotina saudável e com energia. “O excesso traz grandes problemas”, avalia o professor do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da FGV, Rubens Massa. Por isso, é importante saber equilibrar vida pessoal e atividades da empresa.

Até maio deste ano, o Brasil tinha 20,2 milhões de pequenos negócios, sendo mais da metade (13,8 milhões) de MEI, segundo dados do Sebrae. Só entre janeiro e março, foram criadas 954 mil empresas, entre MEI, microempresas e empresas de pequeno porte.

Os números, no entanto, são reflexos do chamado empreendedorismo de necessidade, que acompanha a curva de desemprego. “Na verdade, não é um ganho social. É um retrocesso”, diz Massa. Mas, para quem optou por esse caminho, seja por necessidade ou oportunidade, é preciso planejamento e organização se quiser ter tempo de descanso.

Uma das principais dicas é separar o CPF do CNPJ – ou seja, não misturar o orçamento pessoal com o caixa da empresa, diz a especialista em diversidade e inclusão da Transcendemos Consultoria, Gabriela Augusto. Hoje, esse é um dos grandes desafios de quem abre uma empresa no Brasil. Portanto, conseguir fazer essa separação nas várias esferas da vida, das finanças, no espaço de trabalho e no espaço de tempo vai facilitar o planejamento para o período de descanso.

Outro aspecto que precisa ser analisado antes de sair de férias é a situação e o contexto da empresa. O professor da FGV Rubens Massa afirma que, em muitos casos, o momento de tirar férias ou fazer uma pausa mais longa na rotina de trabalho não chega nos primeiros dois anos de negócio. Isso porque esse é um momento de aprendizado, organização e estruturação.

De acordo com os especialistas, outro ponto importante é mapear os períodos de maior e menor faturamento da empresa. O ideal é optar por temporadas em que a tendência de consumo sobre os produtos ou serviços é mais baixa. “Assim, o empreendedor evita ter perda de projetos e perda de vendas”, diz Caio Ribeiro, analista de negócios do Sebrae-SP.

A estratégia, diz ele, é não atrapalhar as finanças do negócio, fazer uma reserva para os dias de descanso e se preparar para o momento em que o faturamento for mais fraco. “Definir a data de férias é algo que tem de estar alinhado com os controles financeiros e com fluxo de caixa, até porque, quando você tira as férias, as contas não tiram as férias.”

Dicas para o MEI tirar férias

Confira dez passos, indicados pelos três especialistas, para unir sua atividade profissional com sua qualidade de vida e conseguir tirar um tempo de descanso:

  1. Entender o momento no qual é possível de fato descansar e ter o negócio preservado. Normalmente, não ocorre nos primeiros dois anos da empresa;
  2. Olhar para o horizonte temporal do planejamento financeiro: tratar do orçamento não só mensalmente, mas também anualmente ou semestralmente para evitar possíveis contratempos durante as férias;
  3. Desenvolver um planejamento estrutural: planejar rotinas e metodologias para que sua presença consiga ser substituída na estrutura do negócio;
  4. Separar CPF de CNPJ: o empreendedor precisa separar as finanças, o tempo e o local de trabalho entre a sua vida pessoal e a sua vida profissional;
  5. Alinhamento das férias com controles financeiros e principalmente com o fluxo de caixa;
  6. Colocar o planejamento das férias na rotina diária;
  7. Organizar os processos e informar os clientes sobre o momento das férias com mensagens automáticas, posts nas redes sociais ou contato direto. Transparência é essencial;
  8. Entender quais meses do ano o negócio tem mais faturamento, para optar por tirar as férias neste período;
  9. Se não for possível os 30 dias, há a possibilidade de fazer um faseamento ou até prolongar um feriado de quatro ou cinco dias;
  10. As férias não são necessariamente para uma viagem, mas para um descanso do trabalho. Se preferir, aproveite o tempo em casa com a família.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.