Reprodução/Co.Exist
Reprodução/Co.Exist

EUA tem agora primeira incubadora de empreendedores do ramo da maconha

Empresa Madbox ajuda a conseguir documentação e outras burocracias

Estadão PME,

12 de dezembro de 2014 | 15h11

Por mais que o uso recreativo da maconha seja agora legal em vários estados norte-americanos, começar um dispensário para venda e consumo da erva continua inacreditavelmente difícil. Muitos bancos ainda não financiam negócios relacionados à maconha e os documentos exigidos para iniciar uma loja são caros, para dizer o mínimo.

Agora, a companhia Medbox está promovendo negócios e facilitando acordos burocráticos para quem deseja investir em um dispensário, além de oferecer parcerias com quem já os têm.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

A Madbox é, em outras palavras, algo como uma fábrica de dispensários de maconha, que pretende agilizar os processo para quem deseja trabalhar na área. Uma incubadora de pequenos empreendimentos para os iniciantes naquilo que os idealizadores chamam de "revolução da erva". Estima-se que as vendas de maconha nos estados unidos arrecadem $ 8,2 bilhões em 2018.

A empresa foi idealizada pelo capitão reformado do exército Guy Marsala e seu primeiro produto é uma máquina de venda de maconha, como aquelas de refrigerante, mas não é mais o foco da empresa desde julho deste ano.

"Damos todo o respaldo para conseguir licença, aluguel de propriedade ou construção e reforma de um espaço e apoiamos a operação", explica Marsala ao portal Co.Exist. Sua empresa já ajudou a montagem de 400 dispensários nos Estados Unidos e conseguiu mais de 36 licenças para cultivar maconha nos Estados de Illinois, Nevada, California, Oregon e Washington.

"Há uma enorme diferença entre abrir uma casa de consumo amadora e lançar no mercado uma casa profissional e sistematizada", completa o empresário. "Essa será a maior indústria crescente desde a alta tecnologia", acredita Marsala.

Tudo o que sabemos sobre:
Dispensáriomaconha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.