Felipe Rau|Estadão
Felipe Rau|Estadão

Redes de franquias não consolidadas podem resultar em prejuízos para o investidor

Empresários à frente de grandes redes discutem as lacunas do sistema de franchising no Estadão PME Ciclo Franquias

Estadão PME, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2016 | 13h12

Por mais que a oferta possa parecer atraente, entrar em uma rede de franquias ainda não consolidada pode acarretar em prejuízos para o investidor. Especialistas do setor, alertam para o fato de que propaganda da facilidade pode ser enganosa para o empreendedor, principalmente aquele de primeira viagem. 

Para o consultor de franquias e presidente do Grupo Cherto, Marcelo Cherto, e "Na crise, todo mundo quer franquear e sempre surgem os picaretas", comenta o especialista. "Como dizemos no varejo, é preciso sobreviver, pelo menos, a dois Natais. Depois a expansão por franquias pode começar ser conversada", pontua Cherto.

O Estadão PME Ciclo Franquias reuniu, na manhã desta quarta-feira no Tietê Plaza Shopping, empresários à frente de grandes redes para discutir o sistema de franchising sob a perspectiva da ideia inicial até a execução.

Para o consultor de franquias e presidente do Grupo Cherto, Marcelo Cherto, entrar em uma rede ainda não consolidada pode acarretar em prejuízos para o investidor. "Na crise, todo mundo quer franquear e sempre surgem os picaretas", comenta o especialista. "Como dizemos no varejo, é preciso sobreviver, pelo menos, a dois Natais. Depois a expansão por franquias pode começar ser conversada", pontua Cherto.

O especialista dividiu o primeiro módulo do de debates com o CEO das redes Moldura Minuto e Artshot, Antônio Carlos Viégas Filho, e com o diretor de relações internacionais da Associação Brasileira de Franchising, Andre Friedheim.

Oferta de capital. Quando o dinheiro fica mais caro pelo reflexo das altas taxas de juros, como acontece no cenário econômico atual, a captação de crédito para o empreendedor fica mais seletiva. Para o o diretor financeiro e de negócios da Agência de Desenvolvimento Paulista, Alvaro Sedlacek, nesse momento, a experiência e o perfil pessoal do empreendedor são elevados a critério de escolha. 

"Não basta olhar apenas para as finanças. Prefiro financiar aquele que está expandindo, que vai abrir a segunda loja", revela Sedlacek. "Nesses casos, o planejamento é mais bem feito", comenta. 

O debate 'A prática: Quais são as boas práticas para a sua franquia?', reuniu, além de Sedlacek, o CEO da rede Mundo Cheff, Rodrigo Chiavenato, e o diretor do Grupo Ornatus, Jae Ho Lee. 

Na perspectiva do franqueador, Lee pontua que enxugar despesas durante a crise deve ser uma estratégia avaliada a fundo. "É preciso tomar cuidado para que os cortes não sejam feitos de forma estabanada. O corte deve ser estratégico, porque em algum momento a empresa vai voltar a crescer", analisa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.