Divulgação
Divulgação

ESPM cria agência de comunicação grátis destinada a startups

ComCorp é formada por alunos da ESPM e oferece assessoria gratuita e já atende duas empresas

Jéssica Ferreira - Especial para o Estado de S. Paulo,

25 de novembro de 2014 | 16h25

 Startups normalmente já despertam certo interesse pelas inovações digitais que promovem. Mas na velocidade que elas têm se multiplicado, torna-se um pouco mais trabalhoso conquistar a visibilidade do público. Ciente da necessidade dessas jovens empresas em manter o crescimento e se posicionar bem no mercado, a universidade ESPM, em São Paulo, lançou a ComCorp, agência júnior de comunicação corporativa voltada para as startups, com atendimento gratuito.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A ideia é unir o útil ao agradável. A ComCorp é formada por alunos de vários períodos do curso de jornalismo da ESPM, que têm na agência a chance de ganhar experiência na área corporativa. As startups, por sua vez, recebem planos de comunicação, produção de conteúdo e projeto de relacionamento com a mídia. Atualmente, oito alunos compõem a agência, que já atende duas contas: a Lado C, que desenvolve vídeos, e a Não Aguento Quando, formada por mulheres que procuram combater estereótipos machistas.

De acordo com o estudo Estatísticas de Empreendedorismo, realizado pelo IBGE em parceria com a Endeavor e divulgado no final de 2013, as empresas de alto crescimento – categoria na qual boa parte das startups está inserida – foram responsáveis por 48,5% dos empregos gerados entre 2008 e 2011. A quantidade equivale a quase 2,8 milhões de novos empregos.

Segundo Patrícia Gil, coordenadora do projeto, a ComCorp é produto da direção do curso com os alunos e está inserida na agência experimental que os estudantes já participavam, com experiências em outras áreas que não a corporativa. "Eles têm oportunidade de gerar valor social para um segmento que no Brasil é muito grande. A gente tem convicção de que a comunicação é um elemento fundamental para ajudar na sobrevivência dessas empresas no seu período inicial, mas às vezes os empreendedores não podem bancar esse investimento", pondera.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.