Divulgação
Divulgação

Escola de inglês online cai no gosto dos investidores e levanta R$ 240 mi no mercado

Open English, que se declara a maior do setor na América Latina, vai usar o dinheiro para bancar sua expansão

Renato Jakitas, Estadão PME,

02 de maio de 2013 | 17h44

Para o empresário que vê com desconfiança o negócio de ensino de idiomas pela internet, uma startup fundada na Venezuela há sete anos oferece um exemplo interessante sobre as potencialidades do setor. A Open English, que por aqui investe pesado em campanhas na TV aberta, acaba de anunciar a captação de US$ 65 milhões (cerca de R$ 129,93 milhões) em investimentos.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O dinheiro é proveniente de três fundos internacionais (TCV, Insight e a Redpoint Venture). Somadas às rodadas anteriores, a empresa contabiliza US$ 120 milhões (por volta R$ 239,88 milhões) levantados nos últimos três anos, desde que colocou em ação, para valeu, seu plano de expansão.

Atualmente, a empresa declara-se líder no segmento de escolas de inglês online na América Latina. E o dinheiro que chega dos investidores, afirma a Open English em nota, "serão utilizados para contratar novos funcionários e expandir as operações para novos mercados".

"(A última rodada de financiamento) reforça nossa estratégia de negócios e proporcionará um impulso ainda maior para os nossos planos de expansão", afirma o engenheiro de produção Andres Moreno, fundador do negócio, que mantém escritórios, além de São Paulo, também em Buenos Aires, Bogotá, Caracas, Cidade do Panamá e Miami, esta última, de onde ele toca a operação diretamente.

No Brasil, a marca desembarcou no ano passado e, desde então, sustenta o projeto de conquistar por aqui, em médio prazo, a liderança do mercado, alcançando 50% da participação da empresa no continente latino-americano.  metade dos alunos de fundador e CEO da Open English.

Para conquistar o mercado nacional, a empresa desenvolveu um programa que promete fluência no idioma em 12 meses, com mensalidades de R$ 185. A empresa também diz ser a única a oferecer aulas ao vivo com professores que falam português para alunos do nível básico.

“Além disso, oferecemos um consultor pessoal que avalia e planeja o curso de acordo com cada perfil e necessidades, acompanhando as atividades durante todo o curso. A cada 15 dias, o consultor entra em contato com o aluno para verificar o andamento do programa”, destaca Andrés Moreno, que para montar a operação brasileira recebeu aporte da FlyBridge Capital Partners, fundo de investimento norte-americano que atua com startups do Vale do Silício, região que concentra as principais startups de tecnologia dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.