Divulgação
Divulgação

Escola de "inglês afetivo" para crianças pretende faturar R$ 2,1 milhões em 2013

Metodologia não aplica provas e nem utiliza apostilas

ESTADÃO PME,

23 de fevereiro de 2013 | 13h39

Nada de apostilas, provas ou notas. A metodologia da escola de inglês Juan Uribe foi criada com base no "inglês afetivo", que prioriza uma relação prazerosa e útil entre a criança e a língua. A escola, com sede em São Paulo, conta com cerca de 200 alunos e faturou R$ 1,8 milhão no ano passado. A expectativa é aumentar esse número para R$ 2,1 milhões em 2013.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A metodologia começou a ser aplicada em 1994, quando Juan Uribe dava aulas de inglês para adultos em uma escola tradicional e foi convidado a ensinar o idioma para um menino de 4 anos. A irmã de Juan e diretora da escola, Solange Uribe Conti, relata que a mãe do aluno queria um professor para brincar em inglês com o filho, em sua casa.

"O Juan estimulou a brincadeira com os próprios brinquedos do aluno", conta Solange. De acordo com a diretora, Juan começou a misturar palavras em inglês e português de uma maneira sutil para a criança entender o que o professor falava sem precisar de tradução.

"Isso tudo contando histórias, usando fantoches, desenhando, fazendo culinária ou jardinagem. Chegava uma hora que o Juan percebia que a criança estava segura e confiante e ele passava a falar só em inglês", conta. Com o sucesso das aulas, Juan passou a ensinar os primos do primeiro aluno e a procura foi crescendo.

Com a decisão de se dedicar ao ensino, Juan abandonou a faculdade de engenharia no quarto ano e depois foi cursar pedagogia. Solange, na época com 17 anos, decidiu fazer administração e os irmãos resolveram abrir a escola oficialmente, com aulas individuais na casa dos alunos e em grupo na sede da escola.

"Ele cuidava mais da parte pedagógica e eu da parte administrativa. Mas nós dois demos muitas aulas. Ajudamos a criança a falar o que ela realmente quer falar", conta Solange.Atualmente, Juan mora no Canadá.

Além da metodologia de ensino com brinquedos, fantoches, instrumentos musicais e jogos cooperativos, a escola promove festas temáticas. Em uma delas, na Flea Market, as crianças levam brinquedos que não usam mais para trocar ou vender por "Uribes", a moeda em circulação.

"As crianças aprendem a negociar, a usar uma linguagem que vão usar durante as viagens, fazem amigos. E os brinquedos que não são trocados ou vendidos são doados", diz Solange.

A escola está localizada no bairro Itaim Bibi e atende crianças de 2 a 13 anos. No caso das aulas em grupo, duas vezes por semana, o valor do curso é de 12 parcelas de R$ 750. Já para aulas individuais, na casa do aluno, o custo é de 12 parcelas de R$ 1,6 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.