Reprodução
Reprodução

Escola de cerveja de Blumenau cria república para receber estudantes

Local terá equipamento de produção de cerveja caseira

Gisele Tamamar, Estadão PME,

15 de janeiro de 2015 | 07h09

Não foi a partir de uma ideia, mas a partir de uma necessidade de facilitar a vida dos alunos que os sócios da Escola Superior de Cerveja e Malte, de Blumenau, resolveram criar a República Home Beer, um espaço para oferecer hospedagem para os estudantes, já que a maioria dos matriculados é de outros estados. Um dos diferenciais do espaço será um equipamento de produção de cerveja caseira.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A antiga sede da empresa foi reformada e começou a receber os primeiros moradores no dia 11, para os cursos de férias. A escola é mantida pelo Instituto de Administração e Direção de Empresas, que existe desde 2008, dos sócios Carlo Enrico Bressiani e Sergio Cadore.

A ideia de criar a escola surgiu quando os sócios começaram a pesquisar cursos diferentes para oferecer aos alunos. "Notamos que tinha um mercado crescendo muito rápido, mas que não existia formação formal. As pessoas aprendiam lendo, pesquisando em fóruns, em bibliografia estrangeira e poucas pessoas conseguiam ir para o exterior fazer cursos", conta Bressiani.

A Escola Superior de Cerveja e Malte foi inaugurada em março do ano passado com cursos nas áreas de degustação e harmonização; gestão; e tecnologia e produção. Cada área tem uma pós-graduação e cursos de aperfeiçoamento. Só no ano passado a escola registrou mais de 900 alunos.

Por ser a primeira escola superior da área, a demanda pelos cursos é nacional e a maioria dos alunos é de fora do estado de Santa Catarina. Primeiro, os sócios sentiram a necessidade de criar cursos concentrados, já que viajar para Blumenau duas vezes por mês é inviável para algumas pessoas. "Criamos os cursos de férias e surgiu outro problema. As pessoas perguntavam: onde vou ficar? Quando vai custar um hotel?", lembra Bressiani.

A república tem capacidade para receber 17 pessoas, prioritariamente alunos da escola, mas também pode receber ocasionalmente outros hóspedes ligados à cultura cervejeira. A diária custa R$ 35. Já para períodos mais longos, como é o caso do curso de mestre-cervejeiro que dura sete meses, o aluno vai pagar R$ 400 por mês para um quarto duplo com internet e ar-condicionado. "A ideia não é ganhar dinheiro. É uma forma do aluno ser bem atendido e vim estudar com tranquilidade", afirma Bressiani.

No caso dos cursos de férias, por exemplo, o de sommelier de cerveja custa R$ 5 mil para 100 horas de estudo (duas semanas - segunda a sábado). Já o curso "como montar sua cervejaria" custa R$ 3,2 mil para 80 horas (duas semanas - segunda a sexta-feira). Mesmo com menos de um ano de escola, Bressiani está otimista com os resultados. A previsão é que a escola registre um faturamento de R$ 1,6 milhão em 2015. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.