Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Entenda como criar uma nova tecnologia atrai grandes empresas e faturamento de R$ 10 milhões

Duroshield investe em tecnologia diferente e atende grandes empresas como Ford e Petrobrás

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

14 de maio de 2013 | 07h30

Simples goteiras podem causar imensos transtornos, e prejuízos, na linha de produção de qualquer fábrica. E o problema, ou melhor, a solução dele, faz uma pequena empresa ganhar espaço no mercado de impermeabilização. Para evitar reparos constantes, ou até mesmo a troca da cobertura e a consequente paralisação dos serviços, a Duroshield oferece ao mercado um sistema de revestimento diferente, feito com base na poliuréia. O produto é o carro-chefe do empreendimento, que faturou R$ 10 milhões no ano passado e tem planos para aumentar esse número para R$ 15 milhões em 2013.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O diretor técnico e um dos sócios da Duroshield, Hamilton Nogueira, explica que a poliuréia é resultado de uma reação química de dois componentes, que ao entrarem em contato se solidificam muito rápido. “A poliuréia é conhecida há muito tempo, mas a tecnologia só passou a ser utilizada comercialmente a partir do momento em que a indústria conseguiu controlar a velocidade dessa reação, de conseguir aplicar o produto antes dele endurecer”, conta.

A aplicação é feita com spray e os dois componentes se encontram apenas na ponta da pistola. “Fazemos uma preparação do telhado e aplicamos o revestimento com spray. É como se fosse uma manta colada na telha. As vantagens estão na fácil aplicação, sem a necessidade de obras, na secagem rápida e no resultado de um material resiste e elástico. Damos garantia de dez anos”, afirma o empreendedor.

Em dez segundos o produto aplicado está seco e após um minuto uma pessoa pode andar em cima do revestimento. Já um carro pode passar depois de duas horas. A tecnologia da Duroshield já é usada em grandes empresas como Ford, Petrobrás e Bauducco. Com sede em São Paulo, a companhia está em busca de parceiros espalhados pelo País para expandir os negócios.

Mas para tornar-se um parceiro, a empresa-candidata precisa estar no setor, ou seja, pode ser um negócio no ramo da engenharia ou até mesmo atuar no segmento da impermeabilização. Atualmente, já existem parcerias em Pernambuco, Manaus, Rio de Janeiro, Goiás e Minas Gerais. A ideia é marcar presença em todos os estados.

Diferencial. O engenheiro e professor da HSM Educação, Fernando Serra, pontua que hoje ter um produto em si não gera vantagem competitiva para uma empresa. “Um dos principais pontos do serviço da empresa é impermeabilização, a estanqueidade. É um serviço difícil, exige mão de obra especializada, depende de processos, de controle. E uma grande parte dos prestadores de serviço não faz adequadamente. O que faz a diferença no mercado é a garantia do serviço. O que faz a diferença é a forma de aplicação, atenção ao cliente e a garantia da entrega daquilo que ele está fazendo”, afirma o especialista.

Nova tecnologia. Na semana passada, a Duroshield assinou contrato com o grupo norte-americano Quest e será a distribuidora no País de duas tecnologias, ambas com aplicação em spray. A primeira é um sistema de cobertura que além da impermeabilização também faz a redução térmica. O segundo produto é um revestimento de pavimento. “Ele revitaliza e prolonga a vida do pavimento asfáltico. Pode ser usado para identificar as ciclofaixas e faixas de ônibus, por exemplo”, afirma Nogueira. A expectativa é que a nova parceria movimente R$ 2 milhões só no segundo semestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.