Divulgação
Divulgação

Empresas apostam na câmara de ar de pneus para produzir bolsas

Dentro do conceito de sustentabilidade, empresárias investem no design das peças

ESTADÃO PME,

09 de outubro de 2013 | 18h00

A câmara de ar de pneus é utilizada como matéria-prima por pelo menos três empresas brasileiras. A Vuelo, Santi Martin e Renata Campos investem na sustentabilidade e produzem bolsas e acessórios com o material.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A Vuelo nasceu em Porto Alegre, idealizada pelas amigas Adriana Tubino, publicitária, e Itiana Pasetti, estilista. "Nós duas tínhamos vontade de trabalhar com sustentabilidade e pensamos em desenvolver um produto que não fosse mais um no mercado. Começamos a pesquisar e descobrimos a câmara de pneu e o náilon de guarda-chuva", contou Adriana.

O processo de pesquisa e desenvolvimento da Vuelo durou três anos. A empresa saiu do papel em abril, com a ajuda de três investidores dentro do círculo de amizades e um investimento de R$ 150 mil. A primeira coleção tem bolsa, mochila, capa para notebook, capa para iPad e caderneta de anotações.

Os produtos, que custam entre R$ 38 e R$ 398, são feitos com as câmaras de ar e o forro, com náilon de guarda-chuva. "Era nosso desejo de consumo e de vida. Imaginávamos que teriam mais pessoas como nós. A receptividade é muito positiva", disse Adriana.

Já a Santi Martin, de Campinas, foi criada pelas sócias Sandra Martins e Adriana Santos. "Por mais que a câmara de ar seja um material sustentável, temos que ter produtos com um apelo moderno. Usamos spikes e forros coloridos", afirmou a designer Sandra. Leia mais sobre a empresa aqui.

No caso da Renata Campos, a publicitária e estilista também produz um top, brinco, tiara e cinto de câmara de ar de pneu, além das bolsas. Em seu site, a estilista afirma que vê que a câmara de ar pode substituir o couro em diversos casos. "Precisamos nos conscientizar dos três "R"s: reduzir, reutilizar e reciclar", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.