Reprodução
Reprodução

Empresas apostam em estação portátil para revolucionar o mercado de meteorologia

Com equipamentos espalhados pelo mundo, usuário pode saber a condição do tempo na fachada de um edifício ou dentro de um estádio de futebol

Estadão PME,

07 de junho de 2013 | 13h10

Duas empresas de tecnologia - uma na China e outra nos Estados Unidos - uniram forças com o objetivo nada modesto de revolucionar o mercado de meteorologia pelo mundo. Elas acabam de lançar um equipamento, equivalente ao tamanho de dois smartphones posicionados lado a lado, e que funciona como uma estação wi-fi de medição de temperatura.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O aparelho alimenta um servidor de dados hospedado na internet e é justamente nesse ponto que reside a tal da revolução apregoada no setor meteorológica. Com a disseminação do gadget pelo mundo, será possível não apenas descobrir as condições climáticas em uma determinada cidade, hoje possível por meio de uma infinidade de aplicativos, mas, sim, apontar a condição exata do tempo entre os postos 8 e 9 nas areias da praia de Ipanema ou, mais especificamente, a temperatura das cadeiras numeradas do futuro estádio do Corinthians, em Itaquera, palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

As responsáveis pela criação, já devidamente patenteada, são a chinesa Sina e a startup californiana Ayla Networks. A primeira é responsável pela Weibo, versão chinesa do Twitter que possui meio bilhão de usuários, além de aplicativos meteorológicos baixados por 30 milhões de pessoas. A empresa norte-americana, por sua vez, é uma startup que recentemente atraiu US$ 5,4 milhões em fundos de capital de risco série A com o objetivo de financiar suas inovações.

Em entrevista ao site da Fastcompany, veículo especializado no univers oda tecnologia, David Friedman, um dos sócios da Ayla, afirma que o interesse da empresa é de que a estação portátil de meteorologia sustente um serviço o mais flexível o possível. “É a mesma plataforma para a meteorologia, ou um termostato, ou um medidor de pressão ou um sistema de irrigação que sabe que não deve molhar o gramado enquanto está chovendo”, afirma Friedman.

Para espalhar o produto pelo planeta, um ponto fundamental para as pretensões das empresas, o plano passa por iniciar a comercialização o mais rápido possível. As empresas também pretendem doar uma quantidade de aparelhos para serem instalados em posições-chave.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.