Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Empresários compartilham histórias durante evento

Encontro com CEOs permitiu proximidade entre os grandes empresários brasileiros e participantes da Semana Pró-PME

Letícia Ginak especial para, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2017 | 07h45

Ter a oportunidade de trocar experiências ou mesmo pedir conselhos para grandes nomes do empreendedorismo não é algo que acontece todos os dias. Na Semana Pró-PME, os participantes conseguiram conversar com empresários importantes em diferentes setores no módulo Encontro com o CEO. Em duas horas de conversa, não apenas os acertos, mas os erros foram compartilhados de forma simples e informal.

Cleusa Maria da Silva, fundadora da franquia Sodiê Doces; Lindolfo Martin, criador da Multicoisas; e Pedro Herz, dono da Livraria Cultura, proporcionaram bate-papos dinâmicos e repletos de confissões, em uma mentoria quase particular aos participantes.

Trabalhar com pouco

Motivo de aflição para alguns empreendedores, o capital curto foi assunto constante. Respeitar o tempo do negócio foi conselho comum entre os grandes empresários, além de trabalhar incansavelmente dentro das possibilidades existentes no presente. “Quando você está começando não tem dinheiro para fazer tudo o que quer. Mas também não pode desistir”, diz Martin. 

Risco e compromisso

Para Herz, empreender é, antes de tudo, honrar compromisso. “Não existe negócio sem risco. E se arriscar é cumprir um compromisso que você firmou com alguém. O problema é que a palavra compromisso está caindo do vocabulário. Ninguém está muito preocupado em cumprir o que combina.”

Conflitos

Com a expansão, a gestão torna-se cada vez mais um desafio. Não importa o modelo escolhido, uma empresa que cresce traz a possibilidade de conflitos. Cleusa Silva passou por isso com um franqueado, que não seguia os padrões da marca. “Aconteceu de um franqueado utilizar um ingrediente que não usamos, para diminuir o custo que ele tinha na loja. Nessa situação, consegui conversar e mostrar que ele poderia usar os produtos que quisesse em uma loja com o nome dele, não com a Sodiê”, contou aos participantes. 


:: 'Dinheiro da empresa é da empresa, não é da família', diz Jayme Garfinkel ::

:: 'Não penso em público alvo e nem em plano de negócios' ::

:: 'Justificar erro é perda de tempo' ::

Em família

Além da persistência, os três empresários têm em comum o apoio da família, comum entre os empreendedores brasileiros. As histórias trouxeram proximidade ao encontro e humanizaram a trajetória dos convidados.

Cleusa leva na marca o nome dos dois filhos: Sofia e Diego, formando a palavra ‘Sodiê’. Hoje, o primogênito e braço direito está ao lado dela na tomada de decisões estratégicas. 

Martin decidiu que deveria deixar os negócios da família para inovar e empreender no que acreditava, sem o crivo e o conservadorismo do pai. Herz deu continuidade ao negócio criado pela mãe, mas entendeu que profissionalizá-lo e não temer as novas tecnologias só o fortaleceria. Ao final de cada encontro, a troca de cartões foi mais do que networking, mas sim um compartilhamento de histórias de vida. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.