Henrique Lenza/Endeavor/Divulgação
Henrique Lenza/Endeavor/Divulgação

Empresário que dormia na rua e era acordado com bitucas de cigarro conta como chegou lá

Série especial de vídeos produzidos pela Endeavor continua; confira a história desse empreendedor de sucesso

Endeavor,

06 de dezembro de 2014 | 09h45

 

Em todas as lojas da Flytour tem um sofá na entrada. Você pode entrar e sentar. Mas ele está lá por outra razão. O criador da empresa, Eloi D’Avila conta: “quando chego ao trabalho, olho pra ele e já fico humilde, na hora lembro de onde saí.”

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O menino que fugiu de sua casa em Porto Alegre, com 8 anos e meio para se aventurar em São Paulo fez de tudo nessa vida. Para sobreviver lavou carros, vendeu jornais e engraxou sapatos. Uma época em que dormia em um albergue debaixo do viaduto e deixou em seu corpo as marcas do cigarro que usavam para acordá-lo.

“Hoje eu tenho uma empresa, mas eu digo que as empresas não existem. Quem existe são as pessoas e são elas que fazem as empresas. Nada se faz sozinho, nenhuma grande estrela brilha sozinha”. Assim, Eloi D’Avila, fundador da Flytour, começa a contar sua emocionante história de empreendedorismo e superação, na 7ª edição do Day1.

Um dia na praça da Sé o menino de rua conheceu o Seu Manuel, pra quem contou que havia fugido de casa e não queria voltar. O aposentado ofereceu trabalho em sua própria casa, onde Eloi ficou até os 11 anos de idade.

Com 12 anos foi para o Rio de Janeiro tentar a sorte. Arranjou emprego, foi lavador e guardador de carros. E então conheceu um guia turístico que veio a ser seu padrinho de casamento. “Ele me deu um pouco de oportunidade: me apresentou para a vovó Stella”. E Vovó Stella tirou o menino das ruas, ofereceu um lugar pra dormir, dentista e até estudo. E Eloy dormiu durante muito tempo em um sofá de 2 lugares. Ela dizia: “Você vai arrumar esses dentes e vai parar de falar ‘carça’, carsão’ e ‘sordado’”. Com toda a ajuda, ele aprendeu a ser office boy e ficou lá até os 17 anos de idade.

As dificuldades indicaram caminhos e Eloi encontrou no turismo a sua chance de virar o jogo. Ele via que as agências de turismo não sabiam vender. “Em um empreendedor é fundamental isso: acreditar no que gosta e ir atrás. Não desistir nunca”. Para ele, o empreendedor precisa ser também um vendedor. “Eu acredito que o empreendedor precisa vender aquilo que ele construiu, aquilo que ele sonhou, o que ele empreendeu”.

E ele soube vender. Hoje o Grupo Flytour é líder em emissões de bilhetes aéreos na America Latina e a maior agência de business travel do Brasil. Tem mais de 2,6 mil colaboradores e mais de 220 unidades de negócios. Todas com um sofá na entrada.

“Eu tive uma trajetória extremamente difícil, mas eu posso dizer que foi uma grande oportunidade para mim. Eu consegui fazer muita coisa, e das coisas que eu fiz, eu aprendi. Aprendi que para conseguir alguma coisa você tem que guardar sua humildade. A arrogância é a maior ignorância de alguém. E eu sempre guardo isso comigo”. 

Confira o vídeo do Day1, evento promovido pela Endeavor para os empreendedores contarem os “pontos de virada” que transformaram suas formas de enxergar o mundo.

Essas informações foram publicadas originalmente no portal da Endeavor.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EndeavorDay 1Estadão PMEFlytour

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.