Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Empresário muda o conceito do rodízio de carnes para inovar

Arri Coser fez uma parceria com a irmã e o cunhado, proprietários da churrascaria Na Brasa

Roberta Cardoso, Estadão PME,

31 de maio de 2013 | 14h19

Concluída a venda da FC Holdings, detentora da rede de churrascarias Fogo de Chão, em julho de 2012, o empresário Arri Coser se permitiu um breve período de descanso antes de iniciar uma nova empreitada gastronômica com a família. Em parceria com a irmã e o cunhado, proprietários da churrascaria Na Brasa, em Porto Alegre, ele iniciou uma sociedade para reestruturar e replicar o negócio em outros estados.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Eu tirei uma churrascaria de Porto Alegre (Fogo de Chão) e estou devolvendo três ao Rio Grande do Sul”, diverte-se o empresário, que já investiu mais de R$ 3 milhões na operação. Há mudança de nome para Nabrasa Steak, troca da fachada e implantação de um novo conceito: o menu degustação. Basicamente, o método aprimora o serviço de rodízio ao apresentar para o cliente uma sequência de 12 cortes de carnes.

“Em Porto Alegre conseguimos estabelecer um preço acessível. A ideia é fazer o mesmo em São Paulo. Será um desafio já que a cidade tem um custo mais alto”, explica o empresário. O tradicional rodízio de Porto Alegre serviu de base para a formatação de duas novas unidades, que já foram inauguradas na capital gaúcha.

A volta do empresário ao ramo que dominou por mais de 30 anos é, também, uma nova tentativa de negociar com a família. Com mais experiência, Arri propôs para a sobrinha, de 19 anos, filha de seus sócios, uma espécie de treinamento com duração de sete anos. Terminado o período, ela fará o mesmo com os filhos do empresário. “Vai funcionar isso? Não sei. Mas estou fazendo porque acho, além de bonito, que pode dar certo”, conclui o empreendedor.

:: Leia também ::

A tarefa de matar três leões por dia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.