Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Empresário faturava R$ 50 milhões, mas perdeu tudo em incêndio e precisou recomeçar

Superação marca a história de empresário vietnamita que criou marca de sandálias no Brasil

CRIS OLIVETTE, OPORTUNIDADES,

17 de dezembro de 2012 | 06h49

 O vietnamita Thái Quang Nghiã, dono da Goóc Eco Sandal, linha de sandálias com solado feito de borracha de pneus reciclados, tem sua trajetória de vida marcada pela superação. Em busca de liberdade fugiu do regime comunista usando um barco de pesca. Era 1979 e ele tinha 20 anos. Depois de passar quatro dias à deriva, foi resgatado em alto mar por um petroleiro da Petrobrás.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Acolhido pelo Brasil, foi naturalizado e veio morar em São Paulo. “Eu me sentia como se fosse cego, surdo e mudo porque não falava português e não sabia onde estava, ou para onde ir.” Durante o primeiro ano, Nghiã viveu num abrigo instalado no Glicério, mantido pela Igreja Católica. Ele conta que não existia dicionário vietnamita-português, então criou um. “Em um ano, já continha 17 mil verbetes. Depois, cheguei a 25 mil.”

Além da dificuldade de comunicação, ele não possuía qualificação, o que aumentava sua dificuldade para arrumar um trabalho. “Obtive capacitação em cursos gratuitos oferecidos pelo Senai e Senac. Assim, consegui trabalho como operador de computador em um banco, e deixei o abrigo.”

Em 1983, Nghiã entrou na Universidade de São Paulo (USP), para cursar matemática. “Em 1986 eu continuava no banco e havia emprestado dinheiro para uma amiga, fabricante de bolsas ‘de fundo de quintal’. Mas veio o Plano Cruzado e ela quebrou.” A forma que a amiga encontrou para quitar parte da dívida foi repassar para ele as máquinas e o estoque de bolsas. “Fui para bairros da periferia vender as bolsas. Em 15 dias vendi todas.”

Com a experiência, Nghiã percebeu que ganharia mais dinheiro vendendo bolsas do que trabalhando no banco. “Deixei o trabalho e comecei a fabricar bolsas de plástico, lona e jeans. Essa foi a minha porta de entrada para o mundo dos negócios.” 

A inspiração para criar as sandálias veio da história de seu país. “Em 2003, fui passar 60 dias no Vietnã e vi imagens de vietcongues, que lutaram contra os americanos na guerra do Vietnã. Notei que eles não usavam botas e sim pneus cortados e amarrados com tiras de borracha, para mim isso simbolizou resistência e luta.”

De volta ao Brasil, criou a marca Goóc Eco Sandal. Rapidamente, o produto se espalhou pelo mundo, sendo comercializado em vários países da Europa, Estados Unidos e Japão. No primeiro ano, foram vendidos 700 mil pares. Em 2010, seu faturamento ultrapassou R$ 50 milhões. Mas, em setembro de 2011 a fábrica situada em Brotas pegou fogo. “Perdi tudo. Desde o estoque de produtos e máquinas, até os clientes, porque não pude cumprir os prazos de entrega.”

Era hora de recomeçar novamente e Nghiã decidiu terceirizar a fabricação, que hoje ocorre na cidade de Franca, no interior de São Paulo. “Passei nossa tecnologia e know-how para eles e ganhei mais tempo para criar os modelos, dando mais agilidade aos negócios.” Atualmente, ele mantém escritório em São Matheus, na zona leste da capital, onde administra as áreas de criação, design, divulgação e comercialização. 

“Hoje, 15 meses depois do incêndio, produzimos 120 mil pares por mês e exportamos para a França. Aos poucos estamos recuperando os clientes.” 

Segundo ele, seu grande sonho é mostrar para o mundo que o Brasil tem tecnologia para transformar pneu em borracha que vira sandália. “Já reciclamos mais de 3 milhões de pneus e podemos incentivar outros países a fazer o mesmo.” 

Animado com sua leitura atual, Nghiã recomenda para quem quer empreender, que leia o livro “Startup Enxuta”, de Eric Ries. “Estou gostando muito. Ele ensina como desenvolver o cliente e como modelar a estrutura conforme o negócio cresce.”

Tudo o que sabemos sobre:
Minha históriaempreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.