Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Empresário deve se preparar para um 2014 de pouco crescimento e inflação alta

Com cenário econômico semelhante ao de 2013, para Tales Andreassi, da FGV, saída é investir em inovação

Estadão PME,

31 de dezembro de 2013 | 08h13

O pequeno e médio empresário brasileiro deve se preparar para um cenário econômico em 2014 muito semelhante ao que se viu neste ano, marcado por um crescimento pequeno do Produto Interno Bruto (PIB), expansão tímida da atividade industrial, inflação entre 5%, 6% e dólar cotado na casa dos R$ 2,40.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Essas previsões constavam de um dos últimos relatórios Focus do ano - divulgado no último dia 16 de dezembro pelo Banco Central (BC) e compilado a partir da opinião das instituições financeiras com atuação no Brasil. A pesquisa é um dos principais termômetros para composição de um cenário macroeconômico futuro do País.

Para Tales Andreassi, coordenador do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da Fundação Getulio Vargas (FGV-EAESP), esse cenário não deve inibir o empresário em seu planejamento para o próximo ano. Segundo o especialista, quando o horizonte apresenta uma tendência de estabilização econômica, o empreendedor deve pensar em inovação.

"Não adianta sentar e colocar a mão na cabeça. O empresário tem de saber o que vai enfrentar pela frente, e 2014 não vai ser muito diferente de 2013, que não foi fácil. Mas ele terá a oportunidade de inovar, trabalhar para se diferenciar dos outros produtos do mercado. Somente assim o empreendedor consegue crescer a taxas maiores, crescer não pelo crescimento do mercado, mas pela diferenciação, pela qualidade dos produtos", destaca.

Segundo Andreassi, esse tipo de posicionamento inovador exige mais preparo e iniciativa do que, efetivamente, investimento financeiro. "Claro, ele tem de desembolsar, de vez em quando, com uma viagem para outro país, onde vai ter acesso ao que se faz de novo por lá, mas em geral a demanda é por preparo técnico, investimento em networking, essas coisas que não custam tanto, a não ser tempo e dedicação", afirma.

Tudo o que sabemos sobre:
Economia2014EmpreendedorismoPME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.