Filico/Divulgação
Filico/Divulgação

Empresária fatura R$ 1 milhão com marca de brigadeiro congelado

Carolina Sales vende seus doces nos supermercados Zona Sul, no Rio de Janeiro

Gisele Tamamar, Estadão PME,

25 de junho de 2014 | 06h59

Com mestrado em veterinária e cursando uma nova faculdade, desta vez de Medicina, Carolina Sales buscava ideias para complementar a renda. Como sempre gostou de artesanato, resolveu fazer caixas e colocar brigadeiros para deixar o produto mais atrativo. O doce começou a fazer tanto sucesso que ela deixou o curso de lado para abrir seu negócio. E o brigadeiro congelado, criado para aproveitar o verão, se tornou uma alternativa positiva para aumentar o faturamento mensal.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A primeira loja de Carolina foi aberta em janeiro de 2011. No seguinte, a empresária teve a ideia de fazer uma linha de ‘delícias geladinhas’. “O brigadeiro não congela e vira pedra. Ele fica macio. Eu vendia caixinhas de brigadeiros com sabores mais refrescantes e vendia o conceito de brigadeiro geladinho”, conta.

:: LEIA TAMBÉM ::

Comida congelada, mas caseira e saudável

Franquia é opção para quem não quer fábrica

Marcas apostam em alimentação leve

Ao conseguir chegar em uma receita que dificulta a cristalização do doce sem o uso de conservantes, Carolina resolveu investir ainda mais na linha de congelados. Ela fechou um contrato de exclusividade, há seis meses, para a venda nas lojas da rede Zona Sul, do Rio. Atualmente, os freezers com os produtos estão instalados em três lojas e as vendas já representam 10% da receita. A meta é chegar a 14 unidades da rede até o fim do ano.

Além dos brigadeiros, Carolina também vende brownie recheado com brigadeiro, bolo de pote e brownie de pote nos freezers. “É uma forma do cliente conhecer o produto. Tem uma relutância no início, mas depois que prova, ele volta lá e compra outra caixa”, conta Carolina, que faturou R$ 1,2 milhão no ano passado com a operação. Agora, com a ampliação dos pontos de venda dos congelados, a meta é ampliar o faturamento para R$ 1,6 milhão este ano. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.