Divulgação
Divulgação

Empresa vende 150 mil potes de algodão-doce e pipoca caramelada por mês

Mavalério, especializada em doces e confeitos, inovou ao oferecer guloseimas de forma prática

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

04 de setembro de 2012 | 17h47

Se você só comia algodão-doce em festa de criança ou do "tio do algodão-doce" agora tem a chance de comer a guloseima em pote. A forma prática é comercializada pela Mavalério em potes de 35 gramas. A empresa ainda tem em seu portfólio a pipoca caramelada pronta para consumo. A empresa vende cerca de 150 mil potes dos doces por mês, com expectativa de dobrar o volume em 2013.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O primeiro sabor do algodão-doce lançado foi o tutti-frutti na cor rosa. Mas a cor não agradava a todos. Como o doce também é oferecido como lembrancinha de aniversários, os consumidores começaram a ligar na empresa para falar que o filho queria o produto, mas o algodão rosa "era para menina". O problema foi resolvido com o lançamento do sabor uva na cor azul. A Mavalério estuda novos sabores com previsão de lançamento no ano que vem.

"Brasileiro adora algodão-doce. Oferecer o produto no pote é uma forma inovadora. Ele é fabricado em um ambiente com temperatura controlada, em um processo sem contato manual, de forma higiênica", explica o gerente comercial da Mavalério, Daniel Bettin.

A empresa foi fundada em 1969 com foco na industrialização e empacotamento de especiarias, como cravo e canela. Em 1979, a nova administração identificou que a equipe de vendas recebia muitos pedidos de confeitos para decoração. Foi o primeiro passo para a transformação da empresa, que passou a investir na produção de doces e confeitos.

A Mavalério era mais conhecida nos setores de panificação, confeitaria, sorveteria e doceria devido a sua fabricação de confeitos. Com o lançamento do algodão-doce e da pipoca no pote, o consumidor final passou a identificar a marca. "O algodão-doce foi uma grata surpresa. Estamos satisfeitos com o retorno e a exposição da marca", diz o gerente comercial.

A companhia é representante no Brasil da Gold Medal, fabricante americana de pipoqueiras e máquinas para fast food. As máquinas são instaladas em cinemas, circos e teatros, por exemplo. "Como temos contatos com esses locais, surgiu a ideia de vender a pipoca pronta para quem não tem estrutura para instalar uma máquina no local", conta Bettin. O preço médio da pipoca é R$ 2,90 e do algodão doce, R$ 3,01. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.