Reprodução
Reprodução

Empresa recebe R$ 2,6 milhões para aprimorar dispositivo que gela cerveja em 45 segundos

União Europeia está interessada no potencial do produto para reduzir o consumo de energia

ESTADÃO PME,

29 de outubro de 2013 | 16h42

 A inovação é, mesmo, a chave para o sucesso de pequenos empreendedores no Brasil. E ao redor do mundo também. Imagine quantos empresários não se debruçaram sobre uma questão simplesmente sem solução até hoje: como congelar bebidas rapidamente?

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Uma empresa inglesa, chamada Enviro-Cool,  parece ter encontrado um caminho para resfriar a 4º graus Celsius latinhas e pequenas garrafas - como as de cerveja, por exemplo - em 45 segundos. O negócio ganhou apoio da União Europeia, que investiu cerca de 900 mil euros (aproximadamente R$ 2,6 milhões) na invenção a fim de transformá-la em um produto comercial.

A União Europeia, é claro, não está interessada em tornar a vida dos apreciadores de cerveja mais fácil. Mas aposta na capacidade que o produto tem de reduzir o consumo de energia elétrica - uma geladeira consome muita energia ao tentar gelar rapidamente a cervejinha do fim de semana.

:: Leia também ::

Cerveja idealizada pela banda Iron Maiden chega a São Paulo

Promissor mercado das cervejas artesanais atrai cada vez mais empreendedores

Bar explora o mercado nacional para crescer e loja online aposta nas cervejas do rock

Bode e James Brown inspiraram criação de cervejaria de sucesso em Curitiba

Escola da cerveja fatura R$ 20 mil por mês em São Paulo

Em comunicado divulgado recentemente pela própria União Europeia, o fundador da empresa, Kelvin Hall afirmou estar muito contente com o progresso da sua ideia. "Nós estamos muito orgulhosos por contribuirmos com a redução das emissões de gás e, por meio do desenvolvimento do nosso produto, podermos levar o produto tanto para uso comercial quanto doméstico."

Investimento. No próximo ano, a União Europeia vai lançar um novo programa de pesquisa e inovação chamado Horizon 2020. Desde 2007, a UE investiu algo em torno de 50 bilhões de euros em projetos desse tipo a fim de dar suporte para a economia da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.