Divulgação
Divulgação

Empresa faz sucesso após vencer abelhas africanas

Radamés Zovaro herdou o talento para lidar com abelhas do pai e do avô

CRIS OLIVETTI, OPORTUNIDADES,

18 de junho de 2012 | 06h43

Radamés Zovaro conta que herdou o talento para lidar com abelhas do pai e do avô. A criação de colmeias da família começou em 1916. “Com a morte de minha avó, motivada pela gripe espanhola, deixamos a Vila Mariana e fomos morar em Caieiras, onde vivo até hoje.” Aos 69 anos, o apicultor conta que entre as décadas de 1960 e 1970 o negócio viveu uma fase terrível, decorrente da chegada ao País de abelhas africanas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

“Fechamos a indústria de materiais apícolas e o apiário, assim como outros produtores. As africanas eram muito violentas e ninguém sabia como trabalhar com elas.” Mas a família não desistiu. Em 1982, Zovaro e seu cunhado criaram a Zovaro Comercial Agro Apis. “Hoje, vendemos cera e mel para cerca de 1.200 clientes de todo o Brasil. Abastecemos indústrias de diversos segmentos que usam cera no processo produtivo.”

Autor do livro "Cera de abelha: beneficiamento, produção e utilização”, Radamés Zovaro, representa a terceira geração de apicultores da família. “Cresci vendo meu avô e meu pai ganhando competições promovidas pela Secretaria de Agricultura”, recorda o empresário de 69 anos. “Aos 12 anos eu já possuía algumas colmeias cedidas por meu pai.”

Além do apiário instalado em Caieiras, em 1951 a família montou uma fábrica de materiais apícolas. Mas, com a chegada de abelhas africanas ao Brasil, no início da década de 1960, a família teve grande prejuízo. “Elas eram muito violentas e eram atraídas por outras colmeias. Muitos apiários foram fechados, inclusive o nosso.” A fábrica também não sobreviveu e foi fechada em 1972.

Para reverter a situação, Radamés e seu pai participaram ativamente de diversos congressos que buscavam definir o manejo adequado para lidar com as abelhas africanas.

No começo dos anos 1980, segundo ele, teve início uma grande divulgação sobre os benefícios decorrentes do consumo de mel e a demanda voltou a crescer. “Em 1982, abrimos a Zovaro Comercial Agro Apis e retomamos a comercialização de cera e mel.” Hoje, Radamés possui aproximadamente 2.300 colmeias. Cada uma produzindo cerca de 25 quilos de mel por ano, e 1 quilo de cera, que são vendidos para mais de 1.200 clientes espalhados pelo Brasil.

Segundo ele, para empreender nessa área, a pessoa precisa ter bom conhecimento sobre o assunto. “Também é preciso ter muita disposição e preparo físico, porque o trabalho é puxado.”

Tudo o que sabemos sobre:
abelhasempreendedorismonegócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.