Divulgação
Divulgação

Empresa faz campanha com ilustrações no papel de bala com a sugestiva frase 'desembrulhe a sua voz'

Ação reforça a necessidade do consumidor (re) conquistar o consumidor

ESTADÃO PME,

11 de junho de 2013 | 18h10

 Uma empresa suíça de balas feitas a partir do cultivo de ervas orgânicas chama a atenção por si só. Certo? Não necessariamente parece ser a resposta mais indicada nesse caso. Apesar de ter tradição e qualidade, a empresa resolveu investir no bom humor para despertar no consumidor o desejo de consumir seus produtos.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O resultado foi colocar ilustrações no papel que envolve as balas de pessoas (famosos?) que parecem ter seus pescoços torcidos. Acima da ilustração, aparecem os sugestivos dizeres: 'Desembrulhe a sua voz'. E é claro que é exatamente isso que o consumidor faz.

A campanha, segundo o site if it´s hipe, it´s here, traz uma série de personagens nas ilustrações, alguns que podem ser reconhecidos imediatamente por lembrarem Elvis Presley, Luciano Pavarotti e Madonna. Outros, nem tanto....

Análise. Nem sempre, ensinam os especialistas, ter um produto diferente (e bom) é suficiente para conquistar o público. De fato, deve ser melhor provar uma bala especial feita com ervas orgânicas cultivadas na Suíça, como é o caso da empresa Ricola, em comparação a um mero drops de hortelã.

Mas quem garante que a qualidade do produto é suficiente? O ensinamento, para micro e pequenos empreendedores, é justamente esse. De tempos em temos, é preciso (re)conquistar o consumidor. 

O exemplo dessa empresa suíça parece ser o mais correto, quando pensamos em empreendimentos sem (muita) verba para divulgar seus produtos. As campanhas recorrentes têm o seu mérito e a sua eficiência. Mas uma campanha bem humorada e bem feita...pode fazer toda a diferença.

Tudo o que sabemos sobre:
inovarinovaçãonovos negócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.