André Tito/Divulgação
André Tito/Divulgação

Empresa fabrica oito milhões de pacotes de polvilho por mês e fatura R$ 50 milhões por ano

Negócio faz os biscoitos de marca própria do Carrefour, Pão de Açúcar e Walmart

CRIS OLIVETTE,

10 de setembro de 2012 | 06h21

 Aos 54 anos, João Leite, fundador da marca de Biscoitos Cassini, comemora os 35 anos de criação da empresa que hoje domina 100% do mercado de marcas próprias e mais de 60% do nacional. “Depois de passar a adolescência acordando às três e meia da manhã para abrir a padaria da família, sabia que não queria essa vida para mim. Eu queria ser um industrial.”

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Leite afirma que o pulo do gato ocorreu quando tinha 18 anos e passou mais de cem dias internado, depois de sofrer um acidente de moto. “Uma semana antes de receber alta, comecei a frequentar a cantina do hospital e notei que era grande a demanda por biscoitos de polvilho.” Assim que deixou a clínica, Leite tornou seu sonho realidade. Hoje, comercializa os biscoitos com a marca de redes como Carrefour, Pão de Açúcar, Walmart e Rede Dia, obtendo faturamento anual de R$ 50 milhões.

O mineiro João Leite, dono da marca de biscoitos de polvilho Cassini, conta que fabricava 200 pacotes por dia, quando começou a empreender, em 1977. Hoje, essa mesma quantidade é produzida por minuto. “São oito milhões de pacotes por mês.

Os números impressionam, assim como a história de criação da empresa. Leite vislumbrou a oportunidade de negócio quando estava internado. “Fiquei dias entre a vida e a morte depois de um acidente de moto. No final da internação, eu já podia circular pelo hospital e percebi que o volume de vendas de biscoito de polvilho na cantina era enorme. Lá mesmo decidi que iria industrializar esse produto”, recorda.

A família que estava preocupada e com receio de que o jovem entrasse em depressão por ter perdido o movimento do braço esquerdo, foi surpreendida por sua determinação em criar um negócio próprio.

“Saí com todo o gás e em poucos dias já tinha desenvolvido a marca Cassini e a embalagem. A incubadora do negócio foi a padaria de meu pai, em Formiga (MG)”, relembra. Sua primeira fábrica foi montada em Minas, dois anos depois.

Em 1990, a indústria foi transferida para Amparo, no interior de São Paulo. Hoje, a fábrica fica em Campinas e recentemente passou por um processo de modernização no qual foram investidos R$ 10 milhões. “Mas essa unidade já está com a capacidade esgotada. Agora, preparo a construção de uma segunda fábrica.”

Leite afirma que antes de consolidar sua marca, esse tipo de produto era marginalizado. “Foi uma grande luta, conquistei cada cliente desbravando o mercado. Também desenvolvi os equipamentos para automatizar o processo, com base em pesquisas que fiz viajando para Itália.” Segundo ele, esse tipo de biscoito só existe no Brasil. Por isso, precisou adaptar o maquinário.

“A Cassini é a única empresa do segmento com processo de produção todo automatizado.” O empresário mantém equipe com 120 funcionários, incluindo engenheiros químicos e de alimentos e nutricionistas. “Eles atuam para garantir qualidade e melhorias. A proposta da empresa não é a de desenvolver produtos novos, mas sim fazer melhor aquilo que já produz.”

Segundo ele, o fato de dominar 100% do segmento de marcas próprias de diversas redes de supermercados, faz com que a Cassini seja auditada constantemente por grandes empresas que controlam a qualidade.

Aos futuros empreendedores, Leite recomenda que a pessoa gaste mais tempo com a construção do projeto e com pesquisa, do que com sua execução. “É preciso projetar muito, analisar e oferecer um diferencial.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.