Divulgação
Divulgação

Empresa espera faturar R$ 1 milhão com legenda de filmes

Casal desistiu de concurso para seguir carreira diplomática e resolveu abrir empresa

ESTADÃO PME,

12 de agosto de 2013 | 06h40

Depois de estudar para concursos para a carreira diplomática sem ter sucesso, o casal Ana Flávia Vaz e Luiz Henrique Beheregaray resolveu investir na área de tradução e legendagem. Juntos, eles criaram a BVaz Idiomas, em 2011, e não se arrependem. O faturamento de R$ 130 mil em 2012 saltou para R$ 640 mil só no primeiro semestre deste ano. A previsão é chegar ao R$ 1 milhão até o fim de 2013.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Luiz Henrique morava em Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, e conheceu Ana Flávia, do Rio de Janeiro, durante um curso online para o concurso. "Fazíamos o mesmo curso pela internet, estudávamos juntos pelo Google Docs e acabamos nos aproximando pelo assunto em comum", conta Luiz. Ana Flávia já fazia alguns trabalhos com legendagem e ensinou o serviço para ajudar Luiz a pagar as contas.

Mas quando o gabarito do concurso foi divulgado e ele viu que não tinha ido tão bem, Luiz tomou a decisão de se mudar para o Rio e apostar no trabalho de legendagem com Ana. Com a demanda pelos serviços crescendo, os sócios resolveram passar de freelancers para empresários e hoje contam com uma equipe de 50 colaboradores.

O primeiro cliente foi a Fiocruz, que solicitou um trabalho de legendar um seminário em francês. Hoje, a BVaz trabalha com transcrições, traduções, legendagem, dublagem e interpretação simultânea de inglês, espanhol, italiano, alemão, francês e mandarim.

No caso da legendagem, um dos serviços mais procurados é o serviço para filmes. Tanto para filmes estrangeiros no País quanto para filmes nacionais exibidos lá fora. "Temos um cuidado especial com o atendimento dos nossos clientes e também uma preocupação em mante rum bom relacionamento com os nossos colaboradores", diz Ana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.