JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

Empresa decide não participar da crise e hoje fatura R$ 53 milhões por ano

Orbi Química soube como aproveitar o momento adverso para aumentar o número de clientes e também o faturamento

Carolina Dall'Olio, do Estadão PME,

14 de fevereiro de 2012 | 06h40

Em 2009, quando a crise econômica ganhou força e o PIB industrial brasileiro caiu 5,5%, a Orbi Química, pequena fábrica sediada em Leme (SP), cresceu como nunca. O número de clientes subiu de 400 para 1.600 empresas. E o faturamento passou de R$ 27 milhões para R$ 36 milhões.

“Nossa participação no mercado é muito pequena, não poderíamos deixar uma crise macroeconômica nos afetar”, afirma Mario Lapietra, um dos sócios da Orbi Química. “Por isso, decidimos não participar da crise”, brinca o empresário. “Aproveitamos o momento para roubar clientes da concorrência.”

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Fundada em 2006, a Orbi Química fabrica lubrificantes, vendantes, selantes e similares. São produtos de baixo valor agregado, que sofrem concorrência tanto de itens importados como nacionais. Em contrapartida, têm grande abrangência – são usados em qualquer tipo de indústria e, em alguns casos, até pelo consumidor final.

Por isso, quando os clientes habituais diminuíram os pedidos em 2009, a empresa tinha espaço para buscar novos compradores. Mas logo percebeu que, por falta de escala, não poderia oferecer o menor preço do mercado. “Precisávamos de outros diferenciais que fossem valorizados pelos clientes”, conta Lapietra.

Como os compradores dos produtos da Orbi Química são revendas que abastecem a indústria, a empresa apostou na agilidade de entrega e no baixo índice de erros como forma de ganhar a confiança desse público.  Por isso, o primeiro passo dado pela empresa foi revisar todos os processos com o objetivo de acelerar a produção, mas sem perder qualidade.

“Isso só foi possível porque investimos muito em tecnologia, com a compra de novos equipamentos, e também apostamos na qualificação da equipe”, conta Lapietra. Hoje, os 88 empregados da Orbi Química recebem treinamento constante, podem pleitear subsídio integral ao ingressarem na universidade e ganham uma série de benefícios, sempre atrelados ao cumprimento de metas.

Com uma equipe qualificada e maquinário moderno, a Orbi Química ficou mais produtiva. “Ao trabalhar para reduzir erros, eliminamos o retrabalho, o que ajudou a diminuir os custos de produção”, explica Lapietra. Resultado: a pequena indústria passou a entregar os produtos em um tempo mais curto que a concorrência. E para fidelizar os novos clientes, seduzidos pela agilidade, investiu no treinamento dos revendedores.

“A crise para nós se tornou uma oportunidade”, diz o sócio da Orbi Química, que em 2001 faturou R$ 53 milhões. “Por isso, não temos medo das projeções pessimistas para 2012.“Para resistir a crises, a indústria deve trabalhar para valorizar sua marca e atrelar serviços aos produtos que comercializa”, recomenda o consultor independente Vladimir Valadares. “É preciso se reinventar. Ter produtos tecnicamente perfeitos já não é suficiente para o sucesso.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.