Divulgação
Divulgação

Empresa de compartilhamento de carros quer atingir 20 mil usuários em 2013

Zazcar opera apenas em São Paulo e planeja expansão para mais duas cidades no ano que vem

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME,

22 de novembro de 2012 | 06h30

Depois de três anos operando apenas em São Paulo, a empresa de compartilhamento de carros Zazcar prepara seu plano de expansão para 2013. A meta é chegar ao Rio de Janeiro e em mais uma cidade, ainda não definida. A intenção é passar dos 2 mil usuários atuais para 30 mil e de uma frota de 60 para 500 carros.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Para isso, a empresa que funcionava como uma unidade de negócio da Ícaro Locadora, separou as operações recentemente para abrir oportunidades de aportes de novos investimentos. Antes de fundar a empresa, o CEO da Zazcar, Felipe Campos Barroso, trabalhava na Ícaro Locadora em Curitiba. Quando se mudou para São Paulo, se deparou com o sistema de compartilhamento de carros na busca pela diversificação de serviços.

Mas antes de implantar o sistema na cidade, Barroso estudou o modelo e visitou a Suíça, Alemanha e Estados Unidos - locais onde o sistema já funcionava. No Brasil, a Zazcar começou a funcionar em julho de 2009. Os objetivos são oferecer uma alternativa viável à posse do carro e ao modelo tradicional de locação e ainda ser mais uma opção de mobilidade para quem não tem carro.

"Nosso principal desafio é a divulgação do conceito, ainda desconhecido no Brasil. Mas a tendência é de crescimento. A consultoria Frost & Sullivan prevê mais de 31 milhões de usuários em todo o mundo até 2020", afirma Barroso.

Funcionamento. Na prática, o usuário interessado em utilizar o sistema de compartilhamento de carros precisa se associar ao serviço e ter seu próprio cartão. Até o fim de novembro, não será cobrada a taxa de adesão. Depois dessa data, a taxa será de R$ 55. A reserva do carro pode ser feita por telefone ou internet.

Quem utilizar o serviço vai pagar por hora e por quilômetro rodado. A cobrança por quilômetro é feita porque o usuário não paga a gasolina e nem seguro - um cartão de combustível fica dentro do carro para pagar o abastecimento do carro. "O uso do carro pode ser cobrado por hora ou por dia. Ainda temos ofertas especiais para uso de madrugada, por exemplo", afirma Barroso.

Os valores dos planos variam de acordo com o perfil de usuário. O plano ocasional, por exemplo, não tem cobrança de mensalidade, mas o valor da hora é mais caro: a partir de R$ 13,90. E a diária custa a partir de R$ 99. Já quem é usuário frequente paga uma mensalidade de R$ 50, mas o valor da hora custa a partir de R$ 7,90 e a diária, a partir de R$ 64. O custo por quilômetro é de R$ 0,65 até 100 km e R$ 0,55 a partir de 101 km.

Outra vantagem do sistema é que os carros não ficam apenas em um local. Os 60 automóveis estão espalhados em 45 pontos da cidade, em estacionamentos com funcionamento 24 horas. O usuário faz a reserva e ele mesmo desbloqueia o veículo com seu cartão no horário combinado. A chave fica dentro do veículo. Em média, os usuários utilizam o carro de três a seis horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.