Divulgação
Divulgação

Empresa cria guitarra que permite acoplar o iPhone e facilita o aprendizado do instrumento

Produto custa US$ 400 e começa a ganhar espaço entre os norte-americanos

ESTADÃO PME,

29 de maio de 2013 | 14h25

 Um empreendimento norte-americano desenvolveu um produto que pretende modificar a maneira como as pessoas aprendem a tocar um instrumento. A empresa se chama gTar e ela criou uma guitarra especial em que o usuário encaixa um iPhone no corpo do instrumento e, por meio da integração entre eles, torna o aprendizado mais fácil.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O uso do aparelho é simples. A pessoa primeiro acopla o smartphone na guitarra - o celular transmite instruções ao usuário e também emite os sons similares aos do instrumento real. Por meio de um aplicativo instalado no iPhone, a pessoa seleciona no banco de dados uma música que gostaria de tocar e ainda escolhe se pretende usar o modo fácil, médio ou difícil.

No modelo fácil, o aplicativo primeiro dá instruções sobre quais cordas o usuário deve tocar durante a canção. No nível seguinte, o usuário já deve tocar as notas - que são indicadas por meio de um painel luminoso no braço da guitarra e assim por diante.

Análise PME. A empresa cobra quase US$ 400 pelo produto. E o preço aqui é o que menos importa. A gTar criou um produto diferente e que realmente pode facilitar as coisas para quem pretende aprender guitarra. Mas a empresa criou também uma guitarra que pode divertir aqueles que já tem afinidade com o instrumento. Esse é o diferencial da empresa, além, é claro, de usar a tecnologia disponível para criar algo totalmente novo.

Há dois desafios no caminho dos empreendedores - o primeiro é sobreviver ao período inicial do negócio, onde a demanda deverá ser grande. O segundo é diversificar: quais serão as novidades que a empresa lançará no mercado? É esperar para ver.

Tudo o que sabemos sobre:
inovarinovaçãonovos negócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.