Marcio Fernandes/AE
Marcio Fernandes/AE

Empresa bonita também ajuda pequeno empreendedor a conquistar mais clientes

O mercado está cada vez mais concorrente, por isso, a empresa impecável aumenta a produtividade e impressiona o consumidor

ROBERTA CARDOSO, ESTADÃO PME,

28 de março de 2012 | 20h09

 A empresa que pretende ser bem-sucedida e reconhecida pela excelência necessita contemplar uma série de requisitos. Além de criatividade, inovação e preço competitivo, outro ponto começa a pesar numa avaliação positiva do empreendimento: ser um ambiente harmônico, de preferência com boa aparência. Não se trata de vaidade em excesso. Um local de trabalho funcional, com boa iluminação e conforto para os funcionários, injeta ânimo na equipe, amplia a produtividade, impressiona clientes e até mesmo agrega valor à marca.

O impacto de uma reforma reflete positivamente na rotina do negócio, segundo comprovou Marcelo Ponzoni, da agência de publicidade Rae,MP. Há 22 anos, quando fundou a empresa, Ponzoni brinca que queria apenas uma mesa. Hoje ele possui várias. E todas estilosas. Para transformar o visual da sua agência com o decorrer dos anos, o empresário investiu dinheiro, tempo e paciência.

O empenho de anos dedicados ao planejamento das modificações, afirma Ponzoni, valeu a pena. “Os funcionários ficam orgulhosos de trabalhar em um local bonito. Isso gera reciprocidade e reações em cadeia. Melhora o diálogo entre as áreas, o trabalho flui com facilidade e há mais empenho pois eles se sentem compensados e valorizados”, afirma. Segundo o empreendedor, o investimento feito na imagem do negócio melhorou também a qualidade do relacionamento com os clientes da empresa.

Antes restrito ao cotidiano de grandes corporações, a criação de um espaço agradável de trabalho está mais acessível também aos pequenos negócios. A Bougue, startup do mercado de serviços pela web, iniciou suas atividades dividindo espaço com profissionais autônomos (tendência conhecida atualmente como coworking). Em poucos meses, a empresa cresceu e, com isso, ganhou sede própria.

A primeira preocupação do dono do negócio, Fernando Canuto, foi justamente com a ambientação do local. “Tinha pouco tempo e dinheiro para dar uma cara à empresa. Gostaria de ter contratado profissionais, mas eu mesmo pesquisei móveis, cores para as paredes, equipamentos eletrônicos e todos os outros detalhes que conferem personalidade ao negócio”, conta.

Além de definir o layout, o empresário foi às compras. “Procurei uma loja que possuía tudo o que eu precisava. Só tive que contratar um pintor. A montagem dos móveis estava inclusa nos R$ 15 mil que gastei”, explica.

O paisagismo também é uma alternativa para renovar o ambiente da pequena empresa, recomenda a arquiteta Nathalia Mouco, da Rocco, Vidal + arquitetos. De acordo com a especialista, entretanto, ao fazer essa escolha, o empreendedor deve consultar um profissional do ramo.

Ele será responsável por encontrar não apenas as plantas mais adequadas ao local onde o negócio funciona, assim como realizará a manutenção periódica da paisagem escolhida anteriormente pelo empresário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.