Divulgação
Divulgação

Empresa aposta em lancheira térmica para adulto e pretende crescer com cautela no ano novo

Dona da Tupã Brasil pretende lançar novos modelos para aumentar faturamento

Gisele Tamamar, Estadão PME,

27 de dezembro de 2014 | 08h00

Comer fora está caro. Cada vez mais é preciso priorizar a alimentação saudável. Ou existe por parte do consumidor alguma restrição alimentar. A questão é que levar marmita para o trabalho voltou a ser uma prática comum dos brasileiros e, esse movimento, cria oportunidades para empreendedores. É o caso de Renata Ueda, que criou a Tupã Brasil e investiu em lancheiras e bolsas térmicas coloridas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

A ideia de criar as bolsas térmicas surgiu da necessidade pessoal de Renata. Ao fazer trabalhos como freelancer, a designer precisava de uma bolsa para levar um lanche ao trabalho, mas não encontrava modelos que a agradasse. Resolveu investir, inicialmente com um amiga e agora sozinha no negócio.

"No começo eu tinha que explicar que era uma lancheira para adulto. Hoje não precisa mais", conta. A empresa começou em 2009, inicialmente, com a produção de capas de chuva. As bolsas térmicas começaram a ser produzidas dois anos depois. Recentemente, Renata lançou mais dois novos produtos: uma mochila e uma sacola, que podem ser dobradas para facilitar o transporte.

Por isso, o plano de Renata para 2015 é diversificar. "Comecei a fazer mochila e sacola para atingir outros públicos. Eu estava só com um produto. Até 2013, estava vendendo mais varejo e esse ano passei a focar mais no atacado", conta Renata, que produz, em média, 300 produtos por mês.

No caso das lancheiras, ela trabalha com dois modelos, mas com estampas variadas. O preço varia entre R$ 60 e R$ 70. "Uma é mais vertical, com cara de bolsinha, e a outra tem uma cara de lancheira e cabe as marmitinhas. Estou estudando novos modelos, talvez uma coisa um pouco maior", diz. Mesmo com planos de ampliar os itens oferecidos, Renata é cautelosa. "Quero crescer, mas nem tanto. Quero ir aos poucos, com cautela", diz. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.