Empreender na área da saúde exige dedicação, há riscos, mas também espaço para crescer

Para gerente da Endeavor, trata-se de um setor técnico e crítico

ESTADÃO PME,

08 de novembro de 2013 | 07h10

O setor de saúde é apontado pela Endeavor como promissor para quem pretende ter o próprio negócio. De acordo com o gerente de busca e seleção da Endeavor, Luiz Manzano, o desafio é romper uma barreira regulatória grande. Mas quem ultrapassá-la, terá uma grande vantagem em relação aos concorrentes devido a dificuldade de cópia.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

"A população têm muito acesso à informação, os itens de consumo estão cada vez mais sofisticados e os serviços, de maneira geral, estão ficando melhores, mas os serviços de saúde continuam muito ruins. Eles melhoram em uma velocidade menor que os outros. Isso porque a velocidade de levar o produto ao mercado é menor e os investimentos são muito intensivos", afirma Manzano.

Para quem está disposto a investir na área de saúde, Manzano destaca se tratar de um setor técnico e crítico. "Para fazer um equipamento é preciso ter gente qualificada e estar disposto a assumir vários riscos. Qualquer problema afeta a saúde de alguém. Não é um setor fácil. É preciso muita dedicação, paciência e dinheiro", diz.

O gerente da Endeavor pontua que muitas empresas do setor acabam recenbendo incentivo do governo, subvenções do BNDES, da Finep. "Provavelmente, o melhor caminho para quem quer começar a se financiar é procurar essas instituições.

Manzano apontou três empresas com bons exemplos no setor. Uma delas é a Confiance Medical, especializada em equipamentos para videocirurgias, segmento com grande potencial para crescer no País.

:: Leia também ::

Empreendedor encontra oportunidades em infraestrutura

Setor de consumo é promissor para novos negócios

Programação

Sábado: Educação

Domingo: Segurança

A segunda empresa é a Magnamed, que desenvolveu equipamentos médico-hospitalares na área de ventilação pulmonar com características para serem usados em países emergentes. Os equipamentos, por exemplo, foram projetados para aguentarem as oscilações de energia (maior capacidade da bateria) e são mais leves para facilitar o deslocamento.

Outra empresa é a ToLife, que vende uma solução para apoio na classificação de risco clínico e na organização dos fluxos de atendimento nos estabelecimentos de saúde. A empresa foi citada em outra matéria do PME. Leia mais aqui.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.