Werther Santana/Estadão PME
Werther Santana/Estadão PME

Empreender com bicicletas já deu certo

Desempenho econômico preocupa, certo? Não se você resolveu atuar com as magrelas em grandes cidades como São Paulo

Estadão PME,

16 de dezembro de 2014 | 06h59

Mesmo diante do atual cenário econômico, o mercado das bicicletas mostrou-se promissor em 2014. Os empresários Tito Caloi, atual proprietário da Tito Bikes e bisneto do fundador da tradicional fabricante Caloi, e Luiz Pina, sócio da empresa de aluguel de bicicletas Green Bike e proprietário da loja Avanti, comemoram o período de prosperidade. Ambos, inclusive, apostam que o segmento ainda vai melhorar nos próximos anos desde que ocorra a implementação de políticas de incentivo à fabricação, montagem e uso das tradicionais ‘magrelas’.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Pina, por exemplo, é só sorrisos ao falar sobre o desempenho de sua empresa durante este ano: “Acredito nessa tendência (também) para 2015 e 2016. A economia esteve estagnada durante 2014, o que não impediu nossa evolução. Só torcemos para, se chover, que seja à noite. Quando chove durante o dia, o parque fica muito vazio.” A principal vitrine do empresário atualmente é o aluguel de bicicletas no Parque Villa-Lobos, localizado na zona oeste da cidade de São Paulo.

Pina tem muito orgulho de falar sobre os avanços que conquistou desde que venceu a licitação para administrar o aluguel das bikes. “O tempo médio de atendimento de uma pessoa, na época, era de 7 a 10 minutos. Desenvolvemos um sistema que nos permite, hoje, cadastrar uma família inteira em 1 minuto e meio”, conta. Em um domingo, dia de maior movimento, o empréstimo de bicicletas chega a 7 mil unidades.

Tito Caloi, outro empresário que participou do encontro, voltou a apostar nas bicicletas, campo de atuação da sua família, em 2009. A empreitada dos Caloi com o meio de locomoção começou em 1898, quando o avô de Tito chegou da Itália e montou uma oficina. A fábrica da família foi vendida em 1999, época em que os negócios estavam estagnados.

“Não voltamos ao mercado para ser mais um. Oferecemos produtos diferenciados. E hoje há um movimento mundial a favor da bike”, comemora. As novidades da Tito Bikes envolvem produtos voltados para o público infantil, com parceria estabelecida com times de futebol de São Paulo e Rio de Janeiro. O empreendimento aposta ainda nas urban bikes, indicadas para deslocamentos na cidade. “As perspectivas são muito boas. A estrutura construída pela mobilidade por meio das bicicletas é irreversível. O uso da bike está cada vez mais seguro”, aposta.

Por mais animador que o cenário seja para aqueles que desejam empreender no segmento, entraves burocráticos podem exigir do investidor uma dose extra de paciência. Os altos impostos e a demora para regularizar uma empresa são reclamações recorrentes. “Estamos lutando por uma redução na carga tributária, que chega a 70% no caso das bikes. É maior do que os impostos para automóveis. Burocracia é uma palavra que falamos todos os dias e é um aspecto que atrapalha bastante”, analisou Tito.

Luiz Pina também aproveitou o evento para alertar sobre as responsabilidades de ser o próprio patrão. “Se antes você trabalhava 8 horas e reclamava, com o negócio próprio você vai trabalhar 12 horas. Todos os seus clientes vão se tornar seus patrões. É preciso pé no chão.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.