Divulgação
Divulgação

Empreendedorismo expresso: publicitários criam marca e inauguram loja em apenas 60 dias

Publicitários uniram os conhecimentos e as economias para conceber empreendimento em prazo enxuto

Estadão PME,

06 de junho de 2012 | 11h20

 Desenvolver uma marca demanda tempo. Abrir uma empresa também. No entanto, quatro publicitários foram ousados o suficiente para criar uma marca, conceber um negócio e inaugurá-lo em apenas 60 dias — e sem deixar suas atividades profissionais de lado durante o período. Foram madrugadas de trabalho árduo até a abertura do primeiro quiosque da Yes We Collors, em maio, no shopping Tatuapé, em São Paulo.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

"Tivemos a ideia de criar produtos divertidos como sacolas, canecas, almofadas e badulaques. Unimos nossos conhecimentos e nossas economias para desenvolver o projeto", explica Camila Pacheco, sócia da empresa e responsável pela estratégia comercial e formatação da operação do negócio.

Com experiência em diferentes áreas, os empreendedores criaram a marca com o objetivo de desenvolver produtos embasados em cor, conceito e coleção. Assim, confeccionaram a primeira peça: uma bolsa feita em lona leve, praticamente artesanal. A linha, batizada de collorbag, fez sucesso em uma pesquisa realizada na internet para verificar a receptividade do produto entre os consumidores. A aceitação estimulou os empresários, que integraram mais peças à coleção, aumentando o mix de produtos.

O primeiro ponto de venda da Yes We Collors foi estratégicamente  estudado para contemplar as metas do quarteto. "Milhões de pessoas circulam  pelo local que escolhemos e queremos nesse primeiro momento dar visibilidade aos produtos”, explica Camila. 

 Embora as operações da empresa sejam incipientes, os sócios já fecharam parcerias com artistas e universidades para o desenvolvimento de novas coleções; já estão em negociação com mais outros três shoppings para a inauguração de novos quioques e estão conversando com investidores, pois a ideia também foi modelada para o sistema de franquias.

“Brincamos com cores e arte de maneira irreverente para que as pessoas se identifiquem. Queremos criar produtos ligados ao comportamento do nosso público. É arte envolvida com atitude!”, diz Camila afirma a publicitária e agora empresária.

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoEmpresaEconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.