Divulgação
Divulgação

Empreendedores transformam venda de coxinhas em negócio milionário

Panetteria, Coxinha du Chef e Santa Cozinha exploram o potencial do salgado

Sirlene Farias, O Estado de S. Paulo,

04 de abril de 2014 | 06h40

O mercado de coxinhas está deixando de ser uma alternativa somente para o trabalhador informal. Hoje, investir no tradicional salgado brasileiro se tornou um negócio milionário e tem atraído um número cada vez maior de empreendedores. Eles querem abocanhar uma fatia desse mercado com ampla clientela e têm boas perspectivas de crescimento.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Esse grande potencial chamou a atenção do empresário Renato Iarussi, que investiu pesado na criação da rede de franquias Coxinha du Chef. No mercado há pouco mais de um ano, a empresa conta com cinco unidades e vai inaugurar mais duas neste mês. "Investimos cerca de R$ 1 milhão na fábrica e na primeira loja, mas pretendemos terminar 2014 com 30 lojas", diz Iarussi.

A especialidade da rede são os cones com 12 unidades de coxinha, vendidos a R$ 3,50, preço que visa atrair o público de ruas populares da capital paulista. Segundo o empresário, a rede vende 480 mil salgados por mês e fatura R$ 250 mil no mesmo período. "A previsão é que vamos fechar o ano com um lucro de R$ 14 milhões", prevê Iarussi.

A aposta da Panetteria, padaria localizada na zona norte de São Paulo, foi a criação de uma coxinha de um quilo, o que aumentou a clientela em pelo menos 10%. "Vendemos mais de três mil supercoxinhas apenas no primeiro mês", conta Fátima Dias, proprietária do estabelecimento.

Nesse período, apenas o salgado gigante, que custa R$ 32,90, gerou um faturamento de cerca de R$ 100 mil e sua atratividade duplicou as vendas das coxinhas tradicionais. "Antes vendíamos aproximadamente 80 coxinhas por dia. Hoje, são mais de 200 e o número continua a crescer", afirma Fátima.

Tradição, aliás, é a palavra-chave da Santa Coxinha, que fica na zona leste da capital paulista. Há 31 anos no mercado, os proprietários se orgulham de ter um estabelecimento sem franquias, que atrai o público por seus mais de 50 recheios diferentes, alguns bastante exóticos, como feijoada e costelinha.

Tem ainda as coxinhas que não levam massa tradicional, como a ‘Delícia de camarão’ e a  ‘Delícia de bacon’. Elas levam catupiry e são revestidas por uma casquinha. Embora não divulgue o faturamento, a empresa garante que o negócio é lucrativo. "Nunca cortaram nossa eletricidade", brinca o gerente do estabelecimento, Fernando Júnior.

Tudo o que sabemos sobre:
coxinhaEstadão PME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.