Robson Fernandjes/Estadão
Robson Fernandjes/Estadão

Empreendedor produz suco natural com gás

Gustavo Siemsen criou a Gloops, que tem um avestruz como mascote

Gisele Tamamar, Estadão PME,

30 de janeiro de 2014 | 07h03

Gustavo Siemsen trabalhou como executivo na indústria de refrigerantes e no setor de varejo. Mas resolveu se arriscar e apostar em algo que acreditava. Ele criou a Gloops, empresa que vende suco natural gaseificado e tem um avestruz como mascote. Mais do que vender o suco, ele quer que as pessoas adotem hábitos saudáveis.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Siemsen trabalhava como diretor de marketing da Pepsico, na divisão de refrigerantes, quando a empresa lançou a bebida H20. Nas pesquisas feitas pela empresa ficou constatado que o consumidor estava em busca de uma alternativa saudável para o consumo de refrigerantes.

Mas o empreendedor também entendeu que o consumidor não estava disposto a abrir mão de prazeres e algumas coisas que o deixava encantado com o refrigerante, como o gás e as embalagens divertidas. Foi nessa época que começou a "brotar o início da ideia da Gloops".

O momento emblemático, segundo o empresário, foi quando ele estava na frente de uma máquina de refrigerante. "Pensei: e se nessa máquina ao invés de entrar o xarope de refrigerante entrasse um suco natural de frutas? Isso tudo culminou com o momento da minha vida, de buscar uma razão para o que eu estava fazendo", contou.

:: Leia também ::

Desafio do inventor é se tornar empresário

Aposta total na bicicleta aquática

Ele ganhou até prêmio com solução agrícola

Engenheiro inova na construção

Mas depois da Pepsi, Siemsen trabalhou no Grupo Jereissati, controlador dos shoppings Iguatemi, onde adquiriu experiência no varejo. Foi nas horas vagas que ele resolveu colocar em prática a ideia do suco natural com gás. Visitou fabricantes de equipamentos de cerveja, refrigerante e suco e outros profissionais do mercado.

"Encontrei muita gente com uma visão muito acadêmica ou muito técnica. Fui juntando as peças desse quebra-cabeça e cheguei em algumas soluções fazendo testes caseiros", conta. Siemsen chegou a um processo de produção ao adaptar uma máquina de chope com equipamentos da indústria de cerveja artesanal e de fabricação de suco.

"Eu fui me meter em uma área onde não tinha nenhuma experiência. Tinha muitos contatos da industria de bebidas e tive uma grata surpresa: as pessoas que mais me ajudaram foram as que eu imaginei que não teriam tempo para ajudar", conta.

Com o equipamento funcionando, Siemsen resolveu pedir demissão e resolveu testar o projeto em uma lanchonete localizada dentro de uma academia de ginástica. Vendia pratos saudáveis e servia o suco. Com o sucesso, os clientes passaram a pedir para levar a bebida para casa, o que incentivou o empresário a engarrafar a bebida.

Depois de um ano e a entrada de dois investidores, Siemsen vendeu a lanchonete no ano passado para montar uma mini fábrica. Atualmente, a Gloops trabalha com seis sabores: limão siciliano com hortelã, limão siciliano com framboesa, maracujá com limão, melancia com abacaxi, tangerina e laranja.

Os sucos são entregues na casa do cliente, são vendidos em um quiosque no Shopping Iguatemi ou em eventos. Por ser natural, o prazo de validade de quatro dias é uma das limitações do negócio. Mas o empresário já trabalha para desenvolver alternativas com prazo mais longo de validade.

Os planos de crescimento são ambiciosos. Em cinco anos, a previsão é de atingir um faturamento entre R$ 20 milhões e R$ 30 milhões. "A maior dificuldade foi a decisão de largar a carreira de executivo para começar basicamente do zero. Mas temos um propósito maior do que só vender suco. A ideia é que as pessoas decidam mudar seus hábitos", diz Siemsen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.