Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Empreendedor começou como office boy e hoje cuida de negócios estimados em R$ 184 milhões

A Requadra, empresa de Mário França, é especializada em incorporações imobiliárias

Cris Olivette - Oportunidades,

28 de maio de 2012 | 10h30

 A vida profissional do empresário Mário França começou aos 15 anos como office boy. “Também trabalhei como auxiliar de escritório até entrar na Faculdade de Administração na PUC. A partir daí, comecei a atuar na área, passando por algumas instituições financeiras.”

Aos 30 anos, França aceitou o convite de um conhecido e entrou no ramo de incorporação imobiliária. “A sociedade durou pouco e me vi sozinho com uma obra a ser concluída na zona leste da capital.Considero essa primeira obra vitoriosa e pioneira para a época, porque foi feita ali na Avenida São Miguel, na zona leste. A partir dela consegui recursos para erguer um novo prédio”, diz.

O sucesso nas vendas desse negócio serviu de incentivo para que erguesse novo empreendimento, também bem sucedido.

Desde 1999, quando fez seu primeiro prédio no centro da capital paulista, a empresa, batizada de Requadra, investe na região. “Na época, não havia incorporação recente na região, o que me deixou inseguro.”

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Por meio de pesquisa, constatou que havia demanda por moradia compacta e nova para o local. “O negócio fez um sucesso maravilhoso e passei a desenvolver meus negócios nessa região.”  Ele construiu, por exemplo, três empreendimentos na Rua Paim, na área do Baixo Augusta. Hoje, França toca a empresa junto com os filhos. “O Carlos cuida do marketing e de incorporações e a Fernanda atua na área administrativa junto comigo.” Neste ano, a Requadra está conduzindo três obras com valor geral de vendas (VGV) estimado de RS 184 milhões.

O empresário diz que nunca desejou fazer muitos negócios ao mesmo tempo. “Essa é uma das principais qualidades da minha empresa”, diz. “Fazemos poucos negócios, mas de qualidade e com o compromisso de entregar em dia, para não frustrar as expectativas dos clientes. Ao entregar as chaves, queremos que o comprador se sinta recompensado pelo que pagou.” Para ter sucesso no ramo, França diz que o prédio precisa estar bem localizado. “É preciso oferecer o produto certo para o público daquela região e cobrar preço justo. Não adianta querer ficar rico com um só negócio.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.