Divulgação
Divulgação

Em vez de criar, que tal comprar uma empresa que já está em funcionamento no País?

Especialistas destacam as vantagens e desvantagens de comprar uma empresa já existente

Ligia Aguilhar - Estadão PME,

20 de abril de 2012 | 14h46

Comprar uma empresa pode ser o caminho mais rápido para se ter um negócio com bons índices de crescimento, além de isentar o empreendedor de dificuldades como encontrar um bom ponto comercial ou conquistar os primeiros clientes. Segundo dados da franquia de intermediação de compra e venda de empresas Sunbelt, nos Estados Unidos, a taxa de empresas que fracassam nos cinco primeiros anos varia de 65% a 80%. No caso das franquias, esse índice fica entre 15% a 20% no mesmo período. No entanto, quando uma empresa é comprada com os cuidados adequados o empreendedor tem esse risco reduzido para 2%.

Essa operação, no entanto, envolve riscos e exige uma avaliação criteriosa do empreendedor sobre suas vantagens e desvantagens antes de fechar negócio. O administrador Leonardo Silva Leandro, por exemplo, acreditava estar investindo em um negócio sólido quando comprou uma empresa especializada em terceirização de mão de obra com 30 anos de atuação no mercado. Mas acabou surpreendido com a falta de controle financeiro do empreendimento, o que gerava inúmeros prejuízos e impedia a expansão pretendida por Silva.

“Descobri que o pagamento de um contrato cobria os prejuízos do outro, as dívidas eram uma verdadeira bola de neve e o faturamento real da empresa era de apenas R$ 13 mil por mês”, relembra o empresário.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google+ ::

Sem crédito no mercado devido às dívidas, Silva teve que cortar custos, demitir a maioria dos funcionários - de 60, a empresa passou a contar com apenas oito pessoas – recalcular preços e rescindir contratos deficitários. “Ficou claro que os antigos proprietários não conheciam a operação, caso contrário, enxergariam os problemas”, acredita Silva.

O fato de a empresa atuar no mercado durante tanto tempo foi o que salvou o empreendimento. Silva conseguiu encontrar novos parceiros, voltar a contratar – atualmente são 70 funcionários -  e elevar o faturamento mensal para R$ 180 mil. “É essencial ter controle do fluxo de caixa e planejamento financeiro para superar as adversidades”, garante Silva.

Confira cinco cuidados essenciais antes de comprar  uma empresa:

Avalie se a operação compensa

Segundo o consultor do Sebrae-SP, Gustavo Carrer, o empreendedor deve criar dois planos de negócio para avaliar se a compra da empresa trata-se de um bom negócio. O primeiro deve contemplar o investimento necessário para fazer o negócio crescer e o segundo, o custo para começar uma empresa do zero. “Deve-se considerar o nome consolidado, a cadeia de clientes e a penetração da empresa no mercado”, diz.

Faça uma auditoria

Recomenda-se que o comprador estude e analise profundamente o histórico do negócio, identificando os riscos e as oportunidades. Comprar uma empresa no vermelho com o objetivo de recuperá-la é considerada uma operação muito arriscada e que só deve ser feita por empreendedores experientes. Ainda assim, é importante que o comprador não se acomode aos resultados encontrados em uma empresa saudável. Segundo o especialista em compra e venda de empresas, Batista Gigliotti, é preciso entender os motivos que a fizeram estar nessa posição hoje. Isso implica, na maioria dos casos, uma adaptação do comprador à cultura existente, caso contrário, uma atitude mal planejada poderá levar a mesma empresa ao fracasso.

Atenção à concorrência

Assim como em um novo negócio, é importante analisar o que o mercado está oferecendo antes de comprar uma empresa. O fato de um negócio estar indo financeiramente bem não significa que ele possua os melhores serviços e produtos do mercado.

Converse com clientes e fornecedores

O candidato a comprar um empreendimento precisa saber qual a imagem que a empresa tem no mercado. Clientes e fornecedores são peças-chave para identificar possíveis problemas de gestão e posicionamento de mercado. “Os funcionários devem ser treinados e os fornecedores precisam estar consolidados”, destaca Giglioti. Carrer, do Sebrae, alerta ainda que junto com a empresa o empreendedor adquire passivos e ativos. Isso significa que ele pode arcar com eventuais ações trabalhistas, por exemplo, o que pode ser evitado se ele tiver consciência da reputação do negócio.

Conheça a cultura da empresa

Ao comprar uma empresa o empreendedor adquire junto um time de funcionários acostumados a trabalhar dentro de uma cultura já estabelecida. Conhecer essa realidade é importante para ter mais clareza as mudanças que eventualmente precisarão ser feitas. No entanto, é importante destacar que qualquer alteração precisará ser feita com cautela e humildade para que o empreendedor não ganhe a antipatia da equipe. “A maior dificuldade não é mudar a cultura, mas sim os hábitos errados aos quais a equipe está acostumada”, diz Carrer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.