Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Em Fortaleza, 'Pokemoto' transporta caçadores de Pokemón por R$ 25

Floricultura de Curitiba também faz ação para atrair adeptos do jogo

Vivian Codogno, O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2016 | 17h13

"Não existe a Pokebola? Pois agora tem a Pokemoto", resume o motoboy de Fortaleza Denis Freitas Paz. Desempregado há um mês, quando foi demitido da lavanderia onde trabalhava, o agora empreendedor viu na chegada do jogo Pokemón Go ao Brasil uma oportunidade de começar o próprio negócio. Ontem mesmo, dia em que os downloads do game de realidade aumentada foram liberados em território nacional, ele publicou em sua página no Facebook e em grupos no Whatsapp o serviço de transporte para caçadores dos 'monstrinhos'.

Ao preço de R$ 25 a hora, Paz se propõe a guiar jogadores em busca dos Pokemóns por diversos pontos de Fortaleza. O serviço, porém, vai envolver inicialmente apenas as regiões mais movimentadas da cidade, como a Avenida Beira Mar, um dos principais pontos turísticos da capital cearense.

"Eu conheço bastante Fortaleza e sei quais são as regiões mais perigosas da cidade. E vou evitar correr nesses lugares", explica Paz. A conversa é interrompida a todo momento com novas chamadas. "A cidade todinha está me ligando", comemora. Apesar da alta demanda, o motoboy ainda  não conseguiu fazer sua primeira corrida em busca dos Pokemóns. A justuficativa que dá é o interesse intenso dos veículos de comunicação pela sua história. "Preferi atender às entrevistas primeiro", se diverte.

São tantas mensagens e ligações que Paz se assustou e deicidiu acionar colegas de profissão para tentar montar uma frota que atenda à demanda.  "Eu não imaginava que a procura ia ser tão grande, estou meuio perdido ainda. Já me deram até a ideia de patentear", conta.

Bônus. Os pequenos negócios também estão se movimentando em busca de atrair os adeptos da febre do Pokemón Go. A floricultura e loja de presentes Esalflores, em Curitiba, capturou, em pouco mais de uma hora, dez novos potenciais clientes com uma ação promocional para jogadores.

Até o dia 7 de agosto, quem for à loja e apresentar um Pokémon que remeta a flores, árvores ou outros itens comercializados por lá, ganha um brinde. Para participar, é preciso mostrar a um dos vendedores da Esalflores o histórico de criaturas capturadas, que fica guaradado na memória do jogo, com o exemplar em questão. Por enquanto, o estoque de presentes consiste em rosas e em suculentas, plantas ornamentais cultivadas em pequenos vasos.

O diretor geral da Esalflores, Bruno José Esperança, entende pouco sobre o jogo, mas acredita que o poder de atração do game pode potencializar suas vendas. "Não quero forçar a barra, quero que as pessoas entrem na minha loja", afirma. "E quando precisar de algo que temos aqui, com certeza esse cliente em potencial vai lembrar da gente", espera Esperança.

O empresário ainda não fez o download do jogo, mas seu filho de seis anos e seu irmão de 34 já aderiram. Para ele, conversar com outros adeptos é um diferencial para o negócio. "Sempre procuramos estar fora do clichezão. A clientela é um oceano azul, tem muito a ser explorado", reflete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.