Barbara e Mariana da Dress&Go
Barbara e Mariana da Dress&Go

Elas criaram o aluguel de roupa chique e agora querem faturar R$ 8 milhões

Negócio desperta a atenção do mercado ao tentar criar nas clientes brasileiras o hábito de alugar vestidos de grife

Bruno de Oliveira, especial para O Estado,

05 de agosto de 2015 | 07h02

Muitos negócios inovadores surgiram no mercado com propostas desvinculadas de novidades tecnológicas ou modelos futuristas que estão além da capacidade de absorção de seus potenciais consumidores. Existem empresas que nasceram e inovaram a partir de percepções inteligentes e de aplicações criativas de modelos que já são consagrados.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Uma delas é a Dress & Go, fundada pelas empreendedoras Barbara Diniz e Mariana Penazzo, em São Paulo. O modelo de negócio da empresa consiste em oferecer vestidos de festa para aluguel em uma plataforma de e-commerce. A inovação, no caso, está na procedência das roupas, todas são de coleções de estilistas de renome e ainda de marcas famosas.

O grande desafio da Dress & Go, vencedora do 4º Prêmio Estadão PME na categoria Startup de Potencial, foi saber administrar a entrada do negócio em um mercado inexistente no Brasil. Bastaram alguns meses em funcionamento, no entanto, para que as duas empreendedoras descobrissem o tamanho real da demanda por um serviço como o oferecido pela empresa que elas idealizaram.

“Para explorar o mercado e quebrar o tabu que existe em torno do aluguel de roupas, tivemos de investir em campanhas de marketing no começo do nosso trabalho com a missão de mostrar ao cliente como era a nossa empresa e, principalmente, o que significava a nossa proposta de valor, que é oferecer comodidade. Mais do que isso, criar uma cultura de que produtos podem ser compartilhados”, explica Mariana.

:: Leia também ::

Curitibana Beenoculus aposta na realidade aumentada

Aplicativo tira o cliente da espera telefônica

Nada como estar no lugar certo

Sistema de reciclagem ganha corpo na construção

Ambição sadia deve ser busca incansável

Segundo a empreendedora, a atuação do negócio tem como propósito atender as necessidades de três pilares considerados fundamentais para a sustentação da proposta. O primeiro é promover o consumo inteligente, um conceito comum nos Estados Unidos e na Europa, no mercado brasileiro. 

O segundo, construir um acervo diversificado para atender diferentes públicos e, por fim, movimentar sua cadeia de fornecedores como forma de servir de vitrine alternativa para suas coleções.

O acervo do empreendimento conta com mais de 40 grifes e o objetivo das sócias é fechar 2015 com faturamento de R$ 8 milhões e novas parcerias com grandes nomes da moda. O modelo de negócio, que começou com um investimento total de R$ 300 mil, tem chamado a atenção de investidores. Em 2013, a A5 Internet Investments aportou dinheiro na companhia – em janeiro deste ano, a startup recebeu um novo aporte, desta vez da Kaszek Ventures, cujo valor não foi revelado. O preço das peças para alugar varia entre R$ 100 e R$ 900.

Entre as finalistas que concorreram ao prêmio na categoria estavam as startups Triciclo Soluções Sustentáveis e a Plataforma Saúde. A primeira, nascida dentro da ZCT Publicidade, se destacou com o projeto Retorna Machine, que trata de uma máquina que recolhe resíduos domésticos e oferece benefícios aos usuários como descontos no pagamento da conta de luz, créditos no Bilhete Único, entre outros. 

O material recolhido, por sua vez, é enviado às cooperativas de catadores de lixo e empresas privadas do setor. “Existe uma carência de sistemas de coleta seletiva na cidade que estejam realmente ao alcance da população”, explicou Felipe Lagrotta, da Triciclo.

Já a Plataforma Saúde surgiu a partir de um evento de tecnologia organizado em uma comunidade carente do Rio de Janeiro. O produto desenvolvido é um sistema que analisa e também prevê os riscos de doenças graves com foco na prevenção. “Queremos escalar esta ferramenta e torná-la acessível às comunidades carentes por meio de algo que chamamos de franquia social, nas quais oferecemos os softwares às enfermeiras que atuam nestas regiões”, disse Tales Gomes, co-fundador do negócio. A plataforma hoje atende 500 usuários em cinco comunidades diferentes do município.

:: Finalistas ::

Dress & Go: Inspirado em caso de sucesso nos EUA, o modelo de negócio consiste em oferecer roupas de grife para aluguel a preços que podem variar entre R$ 100 e R$ 900.

Triciclo: Projeto ecológico da startup oferece pontos que podem ser transformados em descontos de tarifas públicas em troca de materiais recicláveis recolhidos por máquinas automáticas.

Plataforma Saúde: A Plataforma Saúde criou um software que ajuda médicos e enfermeiras a prevenir e combater doenças graves em comunidades carentes do Rio de Janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Prêmio Estadão PME

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.