Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

E-commerce alemão cria loja física de móveis em SP para convencer consumidor

Estratégia de site é cada vez mais usada para tentar romper a barreira do consumidor brasileiro

gisele tamamar, estadão pme,

04 de novembro de 2014 | 07h12

Pródigo na venda de roupas e de itens tecnológicos, o varejo online brasileiro ainda enfrenta resistências na categoria de casa e decoração. Dados da consultoria E-bit indicam que o segmento ocupa apenas o sétimo lugar no comércio virtual. Para tentar quebrar essa barreira, o site Westwing, presente em 14 países, vai inaugurar sua primeira loja física em São Paulo.

::: Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

Trata-se de uma ‘pop up store’, inicialmente programada para funcionar por seis meses a partir do próximo dia 13, no Shopping Cidade Jardim. Para custear a operação, a varejista vai sacar parte de uma rodada de investimentos que trouxe  150 milhões para o caixa da empresa.

“Sentimos que o mercado brasileiro talvez seja um pouco menos maduro na internet que o europeu e que talvez ainda tenha essa necessidade e vontade de ver o produto, mesmo que seja ‘amostral’”, diz a executiva Alexandra Tobler, que ocupa a diretoria de estilo da marca. “Uma das nossas missões é exatamente humanizar um pouco o varejo online”, resume.

Criado em 2011, na Alemanha, o site Westwing chegou ao Brasil no mesmo ano e sua operação global logo foi comprada pelo fundo de investimentos Rocket Internet. Pelo mundo, a empresa faturou  110 milhões em 2013. Aqui no Brasil, a marca informa contar com 4,5 milhões de usuários cadastrados.

Na avaliação do professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Vivaldo José Breternitz, a estratégia adotada pela empresa em investir em pontos físicos tem dois objetivos principais. O primeiro é mostrar para o público que o site “existe de verdade”. O segundo envolve justamente a dificuldade em popularizar a categoria de casa e decoração na web. “A empresa vende produtos não padronizados e comprar esse tipo de produto sem ver e tocar, para a maioria da população, é mais complicado”, explica.

Exatamente por isso, a estratégia, embora inédita na história do Westwing, não chega a ser novidade no setor aqui no Brasil. O site brasileiro Oppa, por exemplo, investe em lojas físicas desde 2012. Atualmente com sete showrooms, a previsão é abrir mais 20 no ano que vem. A exemplo do que fará o Westwing, a equipe de vendas da Oppa assessora o cliente na ponto de venda, mas as compras permanecem online. Para o inicio de 2015, contudo, a empresa planeja começar a vender alguns itens na loja.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.