Dólar volta a subir ainda influenciado por medidas cambiais

Moeda norte-americana fechou o dia em alta de 0,64%, cotado a R$ 1,569

silvana rocha, agência estado,

28 de julho de 2011 | 18h16

A oscilação do dólar diminuiu hoje, mas a moeda americana foi negociada em alta em relação ao real durante todo o dia, sustentada sobretudo pela alta da moeda norte-americana ante o euro e por ajustes adicionais de posições às novas medidas do governo que focaram os derivativos cambiais e empréstimos externos.

O dólar comercial fechou em alta de 0,64%, cotado a R$ 1,569, após oscilar da mínima de R$ 1,562 (+0,19%) à máxima de R$ 1,57 (+0,71%). No mês, o dólar acumula alta de 0,51% e no ano, queda de 5,71%. Na BM&F, o dólar à vista terminou a sessão com elevação de 0,10% no dia, a R$ 1,565. O euro comercial subiu 0,27% para R$ 2,245.

Apesar da cautela dos investidores antes da votação de um projeto sobre a elevação do limite de endividamento dos EUA hoje no Congresso e do risco potencial de rebaixamento dos ratings do país, as notícias negativas sobre a Europa foram preponderantes e induziram a continuidade da venda de euro. Aqui, a subida do dólar ao patamar de R$ 1,57, no começo do dia, atraiu exportadores com moeda à venda, garantindo um fluxo cambial favorável que contribuiu para a desaceleração da alta durante a sessão.

Também houve fluxo financeiro de instituições que precisam se enquadrar às novas exigências do governo, afirmou o gerente da mesa de derivativos de uma corretora. No mercado futuro, ganhou força o movimento de rolagem de contratos de dólar, mas a maior concentração deve ocorrer amanhã, quando será formada a taxa Ptax de fim de mês que servirá na segunda-feira para a liquidação do dólar futuro agosto de 2011 na BM&F. Sendo assim, a liquidez começou a migrar para o vencimento de dólar setembro de 2011.

Pela manhã, um esclarecimento do Ministério da Fazenda sobre a forma de recolhimento de IOF sobre as operações de derivativos atingidas pela nova medida mexeu pontualmente com o preço do dólar, que desceu à mínima no mercado futuro e desacelerou a alta no mercado à vista. Como logo perceberam que o recolhimento diário do IOF nos derivativos deve começar a ser feito a partir de 5 de outubro, mas a apuração deve ser retroativa à data de ontem, os agentes financeiros retomaram compras, dando suporte ao dólar.

Ontem, o governo definiu uma alíquota de 1% de IOF sobre aquisição, venda ou vencimento de derivativos cambiais que resultem no aumento da exposição líquida vendida das instituições financeiras em relação ao dia anterior superior a US$ 10 milhões. O governo também autorizou o Conselho Monetário Nacional (CMN) a definir regras específicas para as negociações no mercado de derivativos e a tributar as operações com IOF de até 25%. A expectativa é de que isso deve diminuir o espaço para especulação.

O Banco Central não entrou hoje com leilão a termo nem com oferta de swap cambial reverso, mas manteve dois leilões de compra de moeda no mercado à vista. As taxas de corte foram de R$ 1,566 na primeira operação e de R$ 1,567 por dólar à tarde.

Nas operações de câmbio turismo, o dólar registrou alta de 0,18% hoje, cotado a R$ 1,66 na venda e R$ 1,563 na compra. O euro turismo subiu 0,55%, a R$ 2,373 na venda e R$ 2,253 na compra.

LEIA TAMBÉM:

Pequena empresa deve se preparar para o câmbio

Veja quem se beneficia com o dólar baixo

Celso Ming: o dólar na mira, mais uma vez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.