Reprodução Microsoft
Reprodução Microsoft

Documentário sobre cartuchos enterrados de E.T. no deserto deve ser assistido pelos empreendedores

Confira trailer que conta a história do maior fracasso da indústria de games; documentário sai este ano

DANIEL FERNANDES, ESTADÃO PME,

23 de setembro de 2014 | 09h54

O documentário Atari: Game Over, do diretor Zak Penn, será lançado ainda neste ano e deve ser aguardado com ansiedade pelos empreendedores de todo o mundo, principalmente os brasileiros, que convivem ainda com os desafios de inovar em um mercado em construção. Para quem não conhece a história, a Atari criou no começo dos anos 1980 um vídeo game que tinha tudo para explodir em vendas. E.T., o Extraterrestre, era o filme de maior sucesso da época e transformá-lo em game seria uma aposta certeira.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + :: 

Não necessariamente, o vídeo-game fracassou e, numa tentativa insana de esconder isso do resto do mundo, a companhia resolveu enterrar 8,5 milhões de cartuchos, que mofavam em seu estoque. É claro que essa decisão apenas contribuiu para criar uma lenda gigantesca em torno do assunto. Em abril deste ano, o mistério foi resolvido e os cartuchos foram desenterrados.

A história de sucesso da companhia e do fracasso que comprometeu seu futuro já vale a pena, mas aí vão outros argumentos capaz de convencê-lo.

1) E.T. foi considerado o pior vídeo-game de todos os tempos. E até hoje a indústria não mudou de opinião.

2) O documentário tenta achar resposta para a pergunta: como uma companhia que era tão inovadora na época falhou dessa maneira?

3) A Atari eta a empresa, na década de 1980, com o crescimento mais acelerado da história dos Estados Unidos

...e por último, talvez a principal lição a ser extraída do caso.

4) Criar um vídeo-game, na época, demorava entre cinco e seis meses. E.T. foi concebido em cinco semanas aproximadamente.

Confira abaixo o trailer do filme.

Tudo o que sabemos sobre:
inovação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.