Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Discreto, aparelho que alivia dores musculares pode ser usado sob as roupas

Dispositivo foi desenvolvido por ex-alunos de Harvard e do MIT

Estadão PME,

09 de março de 2015 | 07h01

 

Nem todo dispositivo vestível (wearable, no termo em inglês) foi feito para rastrear passos ou verificar a qualidade do sono do usuário. Empreendedores de Boston, nos Estados Unidos, criaram um aparelho que promete ajudar pessoas que padecem de dores crônicas.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::

:: Twitter ::

:: Facebook ::

:: Google + ::

O Quell, como se chama o produto, funciona sobre a região onde está localizado o foco da dor. A diferença para outros equipamentos que possuem a mesma finalidade é que ele tem um formato que o deixa quase imperceptível se usado sob roupas.

Ele é mais discreto, por exemplo, do que um aparelho que alivia dores por meio de lâmpadas LED e que buscou financiamento coletivo na internet em janeiro deste ano.

Quando acionado, ele estimula os nervos sensoriais localizados próximo a dor. Logo, envia impulsos ao cérebro de forma a provocar uma resposta natural no sistema nervoso central, que bloqueia os sinais de dor pelo corpo.

A tecnologia foi desenvolvida pela NeuroMetrix, uma empresa que tem como membros alunos da Escola de Medicina de Harvard e do massachusetts Institute of Technology (MIT).

Os eletrodos responsáveis pelo funcionamento do aparelho devem ser trocados uma vez por mês. Eles custam nos EUA, em média, US$ 29,99 cada um.

Para acelerar o seu desenvolvimento e comercialização, a fabricante criou na internet uma campanha de financiamento coletivo no site Indiegogo. A meta inicial estipulada, que era de US$ 100 mil, foi ultrapassada com menos de 48 horas - chegando a US$ 177 mil. A campanha será encerrada em abril. 

Tudo o que sabemos sobre:
EmpreendedorismoNegóciosSaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.