Rafael Arbex|Estadão
Rafael Arbex|Estadão

'Dinheiro da empresa é da empresa, não é da família', diz Jayme Garfinkel

Executivo conta como superou conflitos familiares e, com isso, transformou a Porto Seguro em potência

Roberta Cardoso, especial para, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2017 | 08h00

Paciência, resistência e consistência são palavras de ordem para Jayme Garfinkel, presidente do Conselho da Porto Seguro. Aos 71 anos – 45 deles dedicados à seguradora –, o empresário contou durante sua participação na Semana Pró-PME como enfrentou e superou crises para transformar o pequeno negócio iniciado pelo pai em uma empresa com 15 mil funcionários.

 

"Meu pai comprou a companhia em 1972. Por seis anos, crescemos bastante. Mas em 1978 ele morreu e minha mãe assumiu a presidência. Passei por uma grande crise sobre o papel que eu assumiria. Eu achava que não tinha o carisma, o conhecimento do meu pai. Eu não sabia como me comportar."

 

:: Empresa garante 85% das compras online no País ::

:: Empresários compartilham histórias durante evento ::

 

Garfinkel sempre atuou na Porto Seguro. No início, ajudava o pai e por isso transitou por todas as áreas e departamentos do negócio. "Quando ele morreu, fui acostumando com as novas responsabilidades e demandas. Com o tempo, formei uma equipe. Quando você está envolvido e as pessoas veem isso, você ganha confiança. E empreender é acima de tudo construir essas relações de confiança."

 

Em família. A estreita relação familiar com o empreendimento, no entanto, sofreu um abalo que durou 24 anos. Na década de 1980, Garfinkel e o cunhado romperam por divergirem sobre os rumos da Porto Seguro. Com apoio da mãe, o empresário seguiu à frente da companhia. Mas só em 2004, ao abrir capital e vender 30% da marca, é que as brigas ficaram para trás. "Sou MBA em conflito familiar", diz.

 

"Nossas ideias não batiam. Eu e minha mãe éramos pró-empresa, defendíamos e perseguíamos o sonho do meu pai. Eles tinham outros planos. Como eu não tinha dinheiro para comprar a parte dela, abrimos capital."

 

A experiência conturbada serviu de alerta para o empresário. Casado e pai de dois filhos, Garfinkel tenta evitar que uma situação semelhante a que viveu com o cunhado e a irmã se repita. "A cada três meses, nos isolamos e falamos sobre a carreira deles. Minha mulher e eu participamos. Hoje, eles (os filhos) conversam bastante. Porque só conversando é que você dilui as dúvidas", diz.

 

Regra de ouro. Nos últimos 45 anos, a Porto Seguro atravessou os mais diversos cenários de crises internas e externas. Para que as turbulências não afetassem o negócio, o empresário ressaltou a importância de manter um ambiente livre de concessões emocionais e afetivas, principalmente quando elas incidem sobre o caixa.

 

"Dinheiro da empresa é da empresa, não é da família. E isso gerou boa parte do conflito que eu tive com a minha", conta. "Na maior boa vontade, você cria um problemão. Eu acho isso erradíssimo. Você pega dinheiro do caixa para resolver um problema, seja ele qual for, e aí o problema surge."

 

A política adotada pelo executivo para abolir a prática dentro da seguradora é radical. Nem mesmo os custos com refeições de Garfinkel são debitados da Porto Seguro. "Esse nível de disciplina é fundamental e não abro mão. Serve para mostrar ao funcionário, quando ele recebe os dividendos de participação nos lucros, que aquele valor se refere ao lucro mesmo. Não tenho mordomias. Não pago nem o meu almoço com dinheiro do caixa".

 

Outro ponto de atenção, segundo o empreendedor, são as tomadas de decisões dentro de uma corporação. "Sou meio lento para isso. Meu pai sempre teve certezas. Eu, como filho, sempre fui inseguro. Mas uma vez tomada (a decisão), vamos em frente", afirma.

Tudo o que sabemos sobre:
Jayme GarfinkelPorto Seguro Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.