Produto busca financiamento no Kickstarter
Produto busca financiamento no Kickstarter

Despertador inteligente acorda apenas uma pessoa na cama

Entenda como funciona o aparelho que promete evitar - pelo menos uma - briga entre os casais

Flavia Alemi, Especial para o Estado,

21 de maio de 2015 | 07h12

Seu despertador cumpre a tarefa básica de te acordar, mas também desperta a pessoa que está ao seu lado sem que ela precise - ou queira. Com a promessa de revolucionar o modo como as pessoas interagem com seus rudes despertadores, a empresa californiana Lucera Labs desenvolveu o Wakē, um aparelho que usa sensor de calor para acordar apenas quem precisa ser acordado.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Funciona assim: o aparelho é instalado na parede, sobre a cama, e programado por meio de um aplicativo no smartphone. Nele, você regula fatores como o lado da cama que costuma dormir e a 'delicadeza' com a qual deseja ser acordado. Quando chega o horário agendado, o Wakē detecta a sua posição exata na cama por meio de um sensor de calor. O alarme, então, emite uma luz e um som direcionados apenas para você.

Segundo Will Russell, fundador do Lucera Labs, o Wakē se deu bem nos testes com consumidores. "Verificamos que pessoas que acordavam cedo com despertadores nos celulares preferiram serem acordadas pelo Wak?, uma vez que isso acontecia de forma gradual e com sons suaves", diz.


O projeto Wakē está angariando fundos no Kickstarter e já bateu a meta de US$ 100 mil, considerada necessária para iniciar a produção. "Vamos converter nosso laboratório de pesquisa e desenvolvimento numa unidade de produção profissional para fazermos mais testes e diminuir a taxa de defeitos", revela Russell.

A expectativa é de que o Wakē seja vendido em lojas dos EUA pelo valor de US$ 249. Fora do território americano, o preço vai variar de acordo com os impostos de cada país. 

Tudo o que sabemos sobre:
inovaçãoestadão pmedespertador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.